NMPH acusa Câmara de nada fazer sobre ‘eucaliptos’ na cidade

0
143

O movimento independente Narciso Mota Pombal Humano (NMPH) acusa o executivo camarário, liderado pelo social-democrata Diogo Mateus, de falta de “determinação, capacidade de decisão e liderança” para resolver o caso de plantação de eucaliptos junto de habitações, no perímetro urbano da cidade.
Depois de o vereador Michael da Mota António ter “por várias vezes levantado” o assunto em reuniões de Câmara, o NMPH vem agora, através de uma nota de imprensa, criticar a decisão do presidente da autarquia em solicitar “uma auditoria aos procedimentos de licenciamento do ICNF [Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas] a tais plantações”.
Os vereadores independentes – Narciso Mota, Michael António e Anabela Neves – consideram que a respectiva auditoria “só produzirá eventuais resultados e conclusões a médio ou a longo prazo”, sendo que “até lá, os eucaliptos continuarão a crescer e poderemos continuar a assistir a eventuais novas plantações”, alertando, mais uma vez, tratar-se de “uma violação ao PDM [Plano Director Municipal]”.
“Em vez de protelar e adiar (mais uma vez) a resolução do problema”, os vereadores entendem que o executivo de maioria PSD, “tem ao seu alcance meios processuais de natureza cautelar que impeçam novas plantações de eucaliptos, mas para tal, é preciso determinação, capacidade de decisão e liderança, características que parecem não abundar nesta maioria”.
Para o NMPH, “quando as estatísticas mostram que em todo o país, em 2017 (ano das tragédias que todos tristemente recordamos) se atingiu um valor recorde de 18500 hectares de plantações de eucaliptos, quando está em causa, o superior interesse colectivo, a segurança da população de Pombal, o planeamento e ordenamento do nosso concelho, o executivo liderado por Diogo Mateus, não pode continuar a ‘assobiar-para-o-lado’, como se nada estivesse a acontecer ou apenas à espera do ‘momento certo para a fotografia certa’”.
“Esta mesma postura e forma de (não) actuação, é igualmente evidente no estado de abandono a que estão votados equipamentos públicos como jardins, mobiliário urbano, edifícios e obras recentes”, refere o movimento independente.
Entretanto, aqueles mesmos vereadores denunciaram o “evidente estado de abandono a que estão votados equipamentos públicos”, na cidade de Pombal “como jardins, mobiliário urbano, edifícios e obras recentes”.
“Num desleixo que em nada se coaduna com os investimentos efectuados com a tão apregoada ‘modernidade’, dando uma má imagem a quem nos visita e aos pombalenses”, referem os vereadores Narciso Mota, Michael Mota António e Anabela Neves.
Por outro lado, os autarcas “lamentam profundamente” que a população “não tenha sido efectivamente envolvida nas actividades das comemorações dos 27 anos da elevação de Pombal a cidade”, evento que “parece ter sido pensado em cima da hora, anunciado dois dias antes”.

Partilhar
Artigo anteriorAlmagreira recebe a maior fatia do apoio camarário
Próximo artigoOito novas empresas constituídas em Agosto
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.