Castanheira muda para o PSD e Pedrógão para o PS

0
151
Valdemar Alves
Em Pedrógão Grande, o PS conquistou a autarquia ao PSD, embora o presidente da Câmara continue a ser Valdemar Alves

Alda Correia conquistou a Câmara Municipal de Castanheira de Pera para o PSD, derrotando o PS que apostou em Gonçalo Brás, líder concelhio do partido, perante a impossibilidade da recandidatura de Fernando Lopes devido à lei de limitação de mandatos. No concelho vizinho de Pedrógão Grande, o PS conquistou a autarquia ao PSD, embora o presidente da Câmara continue a ser Valdemar Alves, uma vez que os social-democratas não apoiaram a sua recandidatura, optando pelo antigo edil João Marques.
Estas foram as duas principais novidades no panorama político nos concelhos mais a Norte do distrito de Leiria, após as eleições do passado domingo. Quanto a Alvaiázere, Célia Marques, conseguiu manter a autarquia para o PSD, enquanto o PS retirou o vereador ao CDS-PP, aumentando, assim, a sua representatividade. Já em Figueiró dos Vinhos, Jorge Abreu reforçou a posição do PS, numas eleições em que a coligação PSD/CDS-PP não conseguiu afirmar-se no território. Ali, o Movimento Figueiró Independente conseguiu eleger o seu cabeça de lista, Carlos David Lopes, para a vereação.
De referir que, em Castanheira de Pera, o movimento independente liderado por Miguel Barjona, que há quatro anos retirou a maioria ao PS, tendo elegido um vereador, desta vez, apoiado pela coligação CDS-PP/MPT perdeu a sua representatividade no executivo municipal. Mesmo depois de ter apostado na candidatura da conhecida cantora Ágata como número dois da lista. Outra curiosidade passa pela Assembleia Municipal. As eleições ditaram oito mandatos para o PSD e sete para o PS. No entanto, como os socialistas venceram a única junta de freguesia do concelho, ambas as bancadas terão oito elementos.
Uma situação idêntica à de Pedrógão Grande. Ali, o PS elegeu oito membros enquanto o PSD ficou-se pelos sete. No entanto, juntando os presidentes de junta que têm assento no órgão, ambas as bancadas terão nove cadeiras.

Partilhar
Artigo anteriorFestival internacional com três espectáculos até final do mês
Próximo artigoSocialistas arrasaram o PSD e venceram em Ansião

Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.