Festival Internacional de Marionetas e Formas Animadas começa dia 15

0
304

A segunda edição do Manobras – Festival Internacional de Marionetas e Formas Animadas vai acontecer a partir do dia 15, até 31 de Outubro, em Pombal e mais dez municípios associados da Artemrede, com parte da programação escolhida por grupos de espectadores.


Marta Martins, directora executiva da Artemrede, considera que o festival cruza o espectáculo de marionetas e o teatro de objectos “com outros discursos e outras áreas”, visando diferentes públicos e decorrendo em diferentes locais – desde teatros a ruas e praças, mas também associado a percursos que levam os visitantes a conhecer monumentos e património.
Os 20 eventos programados – 13 espectáculos, quatro oficinas, uma instalação de luz e música e duas vídeo-instalações criadas especificamente para espaços de Tomar (distrito de Santarém) e de Sobral de Monte Agraço (Lisboa) – vão acontecer em Abrantes, Alcanena, Alcobaça, Barreiro, Moita, Montijo, Palmela, Pombal, Santarém, Sobral de Monte Agraço e Tomar.
Para Marta Martins, o envolvimento de grupos de espectadores – designados por Visionários – na escolha de parte da programação, num processo participativo que envolveu visionamento das ofertas disponíveis e muita discussão, mediada por programadores locais, constitui o “aspecto mais inovador” do festival.
Este processo, que aconteceu em cinco dos seis concelhos da zona Centro, permite aos espectadores “perceberem como se constrói a programação, o que está por detrás de cada decisão, desde as necessidades técnicas ao orçamento, à necessidade de respeitar um ‘plafond’”, referiu. “É um passo mais à frente na participação cultural”, afirmou, sublinhando que o nível de envolvimento revelou um potencial que os próprios municípios estão a querer levar para outras áreas da programação concelhia.
Marta Martins afirmou que o Manobras apresenta “uma programação diversificada”, ajustada à dimensão e às lógicas de cada localidade, procurando “apresentar projectos de qualidade em formatos diversificados, de várias disciplinas e para diferentes faixas etárias”.
Como ‘ex-líbris’ da programação desta segunda edição do festival, apontou a ópera barroca com marionetas “Guerras do Alecrim e Mangerona”, uma co-produção da Artemrede com o Cistermúsica que junta os Músicos do Tejo e a S.A. Marionetas, com recurso a marionetas à escala humana, num espectáculo que será exibido no dia 14 de Outubro às 16:00 no Teatro-Cine de Pombal.
A directora da Artemrede referiu ainda as iniciativas que aliam a apresentação de espectáculos a visitas a lugares patrimoniais, como a que a companhia belga Tof Théâtre vai apresentar em espaços como o castelo de Pombal (dia 7 de Outubro).
De acordo com Marta Martins, o financiamento obtido no Programa Operacional Centro 2020 permitiu que a Festa da Marioneta, organizada pela Artemrede desde 2009, assumisse o cariz de festival com uma componente internacional, com forte ligação ao património e ao território, acreditando que esta nova dimensão da iniciativa permanecerá mesmo depois de findo o apoio comunitário.
O festival conta com espectáculos das companhias Toutito Teatro (França), Tof Théâtre (Bélgica), Teatro de Marionetas do Porto, NUNCA, PIA – Projectos de Intervenção Artística, Red Cloud Teatro de Marionetas, S.A. Marionetas com os Músicos do Tejo, e Radar 360º, que encerra o festival na noite das Bruxas (31 de Outubro) com “Festopia”, um espectáculo-festa que contará com a participação da comunidade de Pombal.
Em Pombal a iniciativa arranca no próximo dia 15, às 10h30, com o espectáculo “Muita tralha, pouca tralha”, enquanto no dia seguinte o “Areias” será representado no Teatro-Cine às 16h00.

Partilhar
Artigo anteriorN(A) ESCOLA DA VIDA | Semeando: saberes e sabores
Próximo artigoProjecto do centro de saúde do Louriçal em discussão esta quinta-feira
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.