Museu de História Natural revela dinossáurio dos Andrés

0
381

“Entre Dinossáurios” é a exposição que o Museu Nacional de História Natural e Ciência tem patente ao público e onde se pode conhecer o Allosaurus fragilis, descoberto no lugar de Andrés, em Santiago de Litém (Pombal).
A descoberta aconteceu há três dezenas de anos, quando José Amorim, um popular local, procedia a escavações junto à sua habitação. Desde então que os investigadores do Museu de História Natural têm feito trabalhos que levaram à conclusão de se tratar de um género de dinossáurio apenas conhecido no sub-continente norte-americano. “A confirmação da presença de Allosaurus fragilis em Portugal constitui um achado surpreendente, mas ainda assim facilmente explicável. No final do Jurássico as terras emersas do Norte da América e da Península Ibérica estavam muito próximas”, referem.

A descoberta aconteceu há três anos, no lugar de Andrés

Nesta nova exposição, que estará patente ao público até 31 de Dezembro de 2020, os visitantes, especialmente público escolar, poderão descobrir o que são fósseis, que processos levam à sua formação e que diferentes tipos de fósseis existem. Poderão observar diferentes tipos de fósseis de dinossáurio e conhecer quais as regiões de Portugal em que são mais abundantes e em que condições se formaram.
“A partir da investigação realizada no Museu, a exposição apresenta trabalhos de escavação, de preparação laboratorial e de identificação de fósseis de Allosaurus encontrados na jazida de Andrés (Pombal)”, refere, acrescentando que “descobriremos o que nos dizem os diferentes fósseis e os sedimentos ali encontrados sobre como era o ecossistema nesse local há 150 milhões de anos.”
O Museu explora ainda questões sobre o Allosaurus: “em que regiões do planeta se descobriram? Que características tinham estes Dinossáurios? A resposta a esta questão leva-nos a reflectir sobre as dietas dos Dinossáurios, e os hábitos de vida daí resultantes”.
Em 2015, após a descoberta de uma nova jazida em Junqueira, a pouca distância de Andrés, o Museu afirmava que Santiago de Litém é um local “bastante conhecido pela sua riqueza paleontológica”, confirmando-se o elevado potencial paleontológico desta região e a sua importância para o conhecimento das faunas de vertebrados continentais do Jurássico Superior da Bacia Lusitânica”, frisava.

Notícia publicada na Edição de 31 de Janeiro

Partilhar
Artigo anteriorParque empresarial do Camporês vai ser ampliado
Próximo artigoSoure integra projecto-piloto de actividade física
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.