Fundação Dr. José Lourenço Júnior quer acompanhar idosos em casa

0
243

Contribuir para melhorar e qualificar o apoio formal, no contexto domiciliário, é um dos objectivos da Fundação Dr. José Lourenço Júnior, de Abiul, através do projecto “Saúde em Casa”.

A iniciativa que pretende ser “inédita, pioneira e exemplar”, prevê ter uma duração de três anos com um orçamento estimado em 90 mil euros, podendo ser financiado em cerca de 66.500 euros.
A Câmara Municipal de Pombal aprovou aderir ao projecto, na qualidade de Investidor Social, apoiando com uma verba de 19 mil euros, equivalente a 20% do valor global.
De acordo com a instituição, aquela resposta social pretende ir ao “encontro de um novo paradigma de intervenção ‘Againg in Place’, ou seja, criar condições para que os idosos possam permanecer nas suas casas ou na comunidade ao longo do tempo, com uma maior segurança e de forma independente.”
“Através desta nova forma de agir, a intervenção irá ao encontro das necessidades de cada um, potenciando sempre a sua autonomia e trabalhando fragilidades, de forma a dar uma maior qualidade de vida e bem-estar no próprio ambiente natural”, considera.
A fundação refere que a metodologia do “Saúde em Casa” passará por um “acompanhamento/ monitorização dos parâmetros vitais e biomédicos dos utentes no seu próprio domicílio”, passando, igualmente, por um “empoderamento através de uma vertente educacional e por um acompanhamento ao nível nacional.”
“Com base no diagnóstico clínico do médico de família, será definida a abordagem personalizada a cada idoso e a sua periocidade”, considera, adiantando que “com base em protocolos próprios será aferida a sua condição psicossocial e as intervenções mais adequadas, para além das relativas à saúde.”
“A equipa multidisciplinar, em estreita relação com o médico, aferirá caso a caso a intervenção adequada e porá em curso as necessárias, envolvendo os parceiros adequados da rede social e familiar”, afirma.
Por outro lado, uma vez que irão intervir no domicílio dos utentes, os técnicos “poderão ainda identificar condições habitacionais frágeis”, podendo encaminhar para o Programa de Apoio Municipal para Adaptação e Requalificação de Habitações (AMPHARA), se adequado.
A instituição realça que, de uma forma geral, “é flagrante a ausência de resposta social adequada e eficaz aos idosos, em contexto rural para que continuem a viver na sua casa à medida que envelhecem, respondendo às suas necessidades físicas, psicológicas e sociais, de forma integrada.”
Para além da Câmara Municipal de Pombal, a Fundação Dr. José Lourenço Júnior pretende envolver, como parceiros, a Intellicare, a Junta de Freguesia de Abiul, o ACES Pinhal Litoral, o Centro de Saúde de Abiul e a Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Leiria.

Partilhar
Artigo anteriorAdvogado de Pombal candidato ao Conselho Regional de Coimbra
Próximo artigoGPS ‘forma’ crianças em espeleologia
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.