Os Portugueses conhecem os seus valores de colesterol? Como se pode tratar o colesterol?

0
95

O colesterol é umas das substâncias produzidas pelo nosso corpo, sendo que o fígado e outras células produzem cerca de 75% do total e a outra parte, cerca de 25%, vem da alimentação que ingerimos. Sabe-se que o colesterol é um dos fatores de risco das doenças cardiovasculares e cerebrovasculares, no entanto, tendo em conta o trabalho realizado pela Fundação Portuguesa de Cardiologia, em 2023, concluiu, que três em cada quatro portugueses desconhece os seus níveis de colesterol, embora a maioria saiba o que é e os seus valores normais.
Também de acordo com o Presidente da Fundação Portuguesa de Cardiologia (F.P.C), Dr. Manuel Carrageta, afirmou que “o estado de saúde dos portugueses piorou após a pandemia e as doenças cardiovasculares continuam a ser a principal causa de morte em Portugal”, sendo responsável por cerca de 30000 mortes anualmente, quase um terço do total de óbitos. Outros dados interessantes fornecidos pela F.P.C cerca de oito em cada dez óbitos são de causa cardiovascular, e em cada 15 minutos, morre uma pessoa devido a doença cardiovascular em Portugal (dados de 2023). Entre 70 a 80% destas mortes podem ser evitadas, apostando na prevenção.
Por outro lado, segundo o Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, existem cerca de 20 mil pessoas com hipercolesterolemia familiar, sendo uma doença de origem genética, que leva a que as pessoas tenham uma tendência a ter colesterol elevado, aumentando o colesterol LDL (colesterol “Mau”) e baixando o HDL (Colesterol “bom”). E esta doença tem vindo a aumentar nos últimos anos.
As autoridades mundiais que estudam de forma aprofundada estas questões do coração, recomendam que o colesterol HDL esteja alto e o LDL baixo, ou seja, dentro dos valores recomendáveis porque têm um efeito protetor na saúde cardiovascular.
Relativamente aos fatores de risco para o colesterol alto, são os seguintes: obesidade, excesso de peso, sedentarismo, alimentação desequilibrada, fumar, perímetro abdominal elevado e dormir mal. Por outro lado, existe um conjunto de alimentos que tem muito colesterol, por cada 100g, que são os seguintes: manteiga, chantilly, biscoitos, bolachas, ovas de peixe, natas, enchidos (ex: bacon, chouriço, morcela, salsichas, etc.), doces cremosos, bolos, marisco e frutos do mar, asa de frango, pele de aves, gordura da carne, potas, lulas, queijos amanteigados, carnes vermelhas e gordas, vísceras, gema de ovo e gelados cremosos.
Quanto ao tratamento do colesterol elevado, para além da terapia farmacológica (medicação) para controlar os valores dentro do normal, é também importante outros cuidados ao nível do estilo de vida, nomeadamente fazer exercício físico regularmente (recomendações da Organização Mundial da Saúde 2h30m por semana), promover uma alimentação mais equilibrada, de forma a ter um índice de massa corporal e perímetro da cintura estejam dentro do recomendável. E nesse sentido a alimentação mediterrânea é um padrão alimentar que promove muitos benefícios ao nível da redução do colesterol, dado que inclui alimentos como o azeite, cereais integrais, sementes (ex: linhaça, girassol, abóbora), frutos secos (ex: noz, avelã, amêndoa com pele, em quantidades moderadas), legumes e hortaliça, fruta da época e da região, leguminosas (ex: feijão, grão, ervilhas, lentilhas, etc.), carne brancas (ex: coelho, frango, peru, pato, etc.) e peixe, evitar mais as carnes vermelhas, limitar o consumo de ovos a três por semana e por fim, optar por estilos culinários mais saudáveis (ex: grelhados, estufados, salteados, assados, com pouca gordura).
E isto irá ajudar!

Até breve.

Autor:
António Cordeiro
Nutricionista
CP:0728N

anto_cordeiro@sapo.pt