Empresário do Carriço morre colhido por comboio

0
773

Dionísio Marques Agostinho, empresário da indústria da panificação, natural do Carriço (Pombal) morreu ao final da tarde desta segunda-feira, 11 de Abril, quando o automóvel que conduzia foi colhido por um comboio numa passagem de nível, nos arredores da Figueira da Foz.

O acidente ocorreu por cerca das 18 horas, quando a vítima, de 70 anos, estava a atravessar a passagem de nível da Salmanha, nos arredores da Figueira da Foz, na estrada municipal que faz a ligação junto ao rio Mondego, entre aquela cidade e a freguesia de Vila Verde.

O jipe conduzido por Dionísio Marques Agostinho foi colhido por uma composição ferroviária de passageiros que fazia a ligação Figueira da Foz – Coimbra, tendo sido “arrastada vários metros” ao longo da linha, refere Nuno Osório, comandante dos Bombeiros Municipais da Figueira da Foz.

Segundo aquele operacional, não se registaram feridos entre os passageiros do comboio, apesar de a composição ter sofrido alguns danos na parte dianteira, onde se deu o embate com a viatura, que ficou trucidada, tendo sido necessário recorrer a material de desencarceramento para extrair o corpo da vítima dos destroços.

No local estiveram meios das corporações de Municipais e Voluntários da Figueira da Foz, auxiliados por elementos da Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), num total de 17 homens e seis viaturas. A ocorrência foi registada pela Polícia de Segurança Pública.

Dionísio Marques Agostinho era um conhecido empresário da indústria da panificação e pastelaria, com sede no Carriço há vários anos, possuindo três estabelecimentos na cidade da Figueira da Foz. A sua empresa é accionista da Pombalprof, proprietária da Escola Tecnológica, Artística e Profissional de Pombal.

Orlando Cardoso (texto)