Obras para a Loja do Cidadão concluídas no final do mês

0
320

A empreitada de adaptação da “Casa Agorreta” para acolher a Loja do Cidadão de Pombal sofreu um segundo atraso e só deverá ficar concluída no próximo dia 31. A prorrogação de prazo graciosa foi aprovada na última reunião da Câmara Municipal, por maioria, com o voto contra de Michael Mota António, vereador do movimento Narciso Mota Pombal Humano.
As obras foram consignadas à empresa Civilcasa II – Construções SA, em 11 de Janeiro de 2018, pelo valor de cerca de 750 mil euros e um prazo de execução de 365 dias. A autarquia já tinha autorizado uma primeira prorrogação graciosa até ao passado dia 30 de Abril.
No entanto, o empreiteiro solicitou uma nova prorrogação do prazo gracioso, “invocando dificuldades na obtenção de materiais e equipamentos específicos, dado existir alguma originalidade e complexidade na preparação e fabricação a ser aplicados na obra”, refere a Câmara Municipal.
O parecer técnico, aprovado pelo executivo, considera que “apesar de todos os problemas ocorridos durante a execução da obra, os mesmos têm sido superados com o acordo e cooperação de ambas as partes, tendo como objectivo cumprir o caderno de encargos.”
O documento considera, ainda, que “com o envolvimento conjunto de vários subempreiteiros, verifica-se a dificuldade de conclusão de algumas especialidades, escadas metálicas, caixilharias, clarabóia, pinturas, etc.”
Já o vereador Pedro Murtinho, com o pelouro da Gestão das Obras Públicas, considera que “a complexidade de alguns dos trabalhos, e a dificuldade de encontrar subempreiteiros e de estes cumprirem prazos, tem sido uma constatação ao longo da obra, principalmente nesta fase final da empreitada.”

Partilhar
Artigo anteriorDia Mundial da Criança: quatro dias de festa para celebrar infância
Próximo artigoCentral fotovoltaica no Carriço considerada de interesse público
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.