A Câmara Municipal de Pombal deliberou, por unanimidade, reconhecer o interesse público municipal da execução de uma central fotovoltaica em Alhais, na freguesia do Carriço. Trata-se da instalação de um empreendimento numa área de cerca de 40 hectares de terreno para a produção de 21MW de potência fotovoltaica.
A instalação pretendida pretende produzir electricidade através de fonte renovável, para venda em mercados organizados ou através da celebração de contratos bilaterais com clientes finais ou com comercializadores de electricidade.
De acordo com a deliberação da autarquia, os promotores estimam um investimento de 15 milhões de euros, para uma vida útil de 25 anos, desmantelável caso não haja prorrogação da respectiva licença de produção.
O projecto prevê a instalação de 65.280 módulos fotovoltaicos, bem como de seis postos de transformação e cabines para inversores, estando prevista, ainda, a ligação à rede eléctrica de serviço público na Subestação da EDP do Louriçal, sendo salvaguardada a possibilidade de ligação à Subestação REN de Lavos.
Todo o empreendimento será vedado com rede em malha de aço electro-soldado, bem como vigiado através da instalação de um sistema de vigilância.
Ainda de acordo com a mesma deliberação, os promotores estimam a criação de cerca de 60 postos de trabalho durante a fase de construção, três postos de trabalho permanentes e 20 sazonais, durante a fase de operação e manutenção. A empresa tem a pretensão de estabelecer a sua sede no concelho, dar prioridade à contracção de mão-de-obra local, bem como à contratação de empresas da região para a execução e manutenção da central proposta.
A deliberação surge depois de, no passado mês de Fevereiro, o executivo ter aprovado um parecer favorável para a instalação de uma outra central fotovoltaica, a instalar numa área de cerca de 185 hectares, próximo ao Parque Industrial Manuel da Mota, na Quinta da Gramela.
Um investimento privado estimado, igualmente, em cerca de 15 milhões de euros.

Partilhar
Artigo anteriorObras para a Loja do Cidadão concluídas no final do mês
Próximo artigoCorredor ribeirinho “vai aproximar a população do centro da freguesia”
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.