O Presidente

0
1810

Caramba, deixem o Presidente trabalhar.
Mas antes de irmos ao que viemos, permitam-nos balizar o texto.
Não. Não vamos falar da Grande Guerra, por que Grande Guerra houve só uma.
A de 1914-1918.
As outras foram coisas de criança, desencadeadas por políticos feitos crianças.
Também não vamos falar de política nacional.
Vamos dar o benefício da dúvida aos sábios conselheiros do nosso particular amigo e Primeiro Ministro, Pedro Passos Coelho.
Isto, apesar do nosso Observatório observar que as coisas continuam a piorar a cada dia que passa.
Mas vamos ao que viemos, colocando os binóculos ao contrário, como dizia o saudoso Raul Solnado, com a sua graça ímpar, centrando-nos em Pombal.
Ficamos sempre muito tristes quando vemos amigos nossos com os binóculos ao contrário olhando para as lagartixas.
Mas é o que vamos fazer agora.
O Presidente Diogo Mateus tem uma equipa de Vereadores de se lhe tirar o chapéu e que usam os binóculos correctamente.
Tem o apoio da Assembleia Municipal, magistralmente conduzida pelo seu Presidente Narciso Mota.
Mas há para aí uns iluminados, que de sábios nada têm, por que não sabem, que lhe querem fazer a folha, pela guerrilha.
São uns ilustres treinadores de bancada.
Pensam que são snipers, mas com o olho zarolho que têm, coitados, não acertam uma.
Ficam-se pela tentativa de destruir, por destruir, uma vez que não têm perfil para ocupar aquele cargo.
Ainda compreendíamos se lhe quisessem roubar o lugar, mas não é disto que se trata.
É de justiça fazer justiça à Equipa do Presidente Diogo Mateus, em termos políticos.
A elegante Vereadora Ana Gonçalves tem provas dadas.
Podemos dizer que herdou o jeito do senhor seu pai, também ele Vereador em tempos idos.
Mas tem mérito próprio.
O nosso amigo e companheiro Vereador Fernando Parreira não precisa que o recomendem, já que tem luz própria. O novel Vereador Pedro Murtinho já apanhou o fio à meada.
A gentil Vereadora Catarina Silva fala por si.
O Vereador Renato Guardado tem perfil e conhecimentos políticos para fazer um bom cargo.
O irreverente Vereador Adelino Mendes sabe da poda, como ninguém.
O Vereador Jorge Claro quase que vem do tempo da outra senhora.
Foi Vereador do saudoso Presidente Guilherme Santos.
A Vereadora Marlene Matias é justa, quiçá por contágio do seu marido Justo.
Já sabemos que os iluminados da praça nos vão dar nas orelhas, dizendo que os Vereadores do PS são Vereadores menores.
Mas não são. Podem não ter Pasta, mas são Vereadores com todas as responsabilidades e graus de liberdade dos Vereadores do PSD.
Defendem o programa com que se apresentaram ao eleitorado, mas são pares de entre pares do Executivo Camarário.
Têm colaborado, à sua maneira, para o desenvolvimento do município, de uma forma politicamente honesta, com algumas tácticas à mistura, respeitando a sua estratégia, o que é legítimo.
Por outro lado os tais iluminados dizem que no PSD são só Jotas.
Mas que culpa é que o PSD tem do PS não ter Jotas?
Valha-nos Deus.
O que dizer da Assembleia Municipal, conduzida magistralmente pelo seu Presidente Narciso Mota.
Felizmente, longe vão os tempos em que era um martírio participar nas suas sessões.
Hoje, cada uma das suas quatro Bancadas chega a brasa à sua sardinha, mas de uma forma politicamente correcta.
A Bancada do Partido Social Democrata tem a sua missão primeira apoiar a maioria no Executivo.
É dos livros.
A Bancada do Partido Socialista defende a sua dama como sabe, pode e lhe deixam.
O Centro Democrático Social-Partido Popular tem um gentil-homem, característica que herdou do senhor seu pai, o saudoso Francisco Menezes Falcão e uma simpática jovem Deputada, ambos com ideias próprias.
O Partido Comunista Português tem um Deputado, o nosso vizinho Jorge Neves, que tem desempenhado muito bem a sua função.
A eterna dúvida se é CDU, ou PCP, ficou esclarecida no site do Partido Comunista Português que corrige o Notícias do Centro quando este escreve: “A Assembleia Municipal de Pombal rejeitou na sexta-feira, por unanimidade, uma moção, apresentada pela bancada socialista, contra a portaria que pode retirar valências nos hospitais da imediação do concelho – Centro Hospitalar de Leiria e Hospital Distrital da Figueira da Foz – exigindo a sua “imediata revogação”.
“Isto não corresponde à realidade. O PCP votou a favor a moção”, lê-se no site e registamos.
O Presidente Diogo Mateus trabalha, explica o que faz e como o faz, certinho, direitinho, como o fez na última sessão da Assembleia Municipal.
Será que é assim tão difícil compreender isto?
Caramba, deixem o Presidente trabalhar, que ele está a trabalhar e bem.

Rodrigues Marques