Móveis 80: uma empresa, uma família!

0
4103

Em tempos de pandemia, 41 anos após a data da sua fundação, a empresa Móveis 80, Lda. recebeu o selo de PME Líder, confirmando assim a reputação assente na estabilidade e força que vem das suas raízes.

Eduardo (fundador), Rita, Eduarda e Bruno com a filha

Esta é uma empresa que surge no sector mobiliário e decoração cuja história, crescimento e evolução é a história das vidas de uma família.
Eduardo dos Santos, fundador e proprietário, diz que “a família é a base desta empresa, da qual fazem parte os clientes”. Começou literalmente do zero, “e foi muito difícil, mas no mesmo dia em que abri portas vendi logo um quarto”, salienta, manifestando o espírito determinado que mantém.
A escolha do nome da firma é curiosa. Esteve para ser móveis 2000 (à época era um marco mítico e muito almejado), depois pensou em Móveis Arunca, “mas não me soava bem” e o nome acabou por ficar associado ao ano em que abriu portas (Março de 1980) na Rua de Ansião “pequeno e simples” refere o empresário.
Ao seu lado esteve sempre Albertina da Conceição Sousa. “A minha mãe foi a visionária, ela é que teve a ideia, foi uma lutadora e apoiou sempre a empresa” diz a filha Rita Santos, enquanto o irmão Bruno Santos frisa que a mãe “foi a empreendedora.”
Quanto ao selo atribuído pelo IAPMEI e tendo em conta os quesitos exigidos, “transmite credibilidade e bom nome ao consumidor, porque foi triada”, salientam os irmãos: Rita Santos e Bruno Santos.
Nos alicerces desta empresa familiar estiveram desde o início duas gerações. O filho primogénito, Filipe Tomé, mal terminou o ciclo começou logo a trabalhar ao lado do pai. Como muito do negócio passou e passa pela venda de mobiliário e decoração à comunidade emigrante, foram muitas viagens ao estrangeiro. “O Tomé foi fundamental para o crescimento da empresa, foi a Angola, a França”, recorda Eduardo dos Santos, e só ele soma muitos quilómetros: “370 e tal viagens só a França e muitas noites sem dormir”. Ao lado, Bruno Santos salienta que “foram 32 anos em que o Tomé esteve todos os dias presente na empresa”, deixando claro que o irmão foi crucial para a evolução e sucesso da mesma.
Foi assim até 2012, ano em que a empresa teve uma perda inesperada, devido a um acidente de viação. “Foi uma perda insubstituível, de um filho, de um irmão e de um excelente profissional e um colega de trabalho que o Tomé era”, diz Rita Santos, acrescentando que tal situação  “obrigou a adaptações e alteração de planos”.

Bruno Santos, que é arquitecto, diz que “na altura o atelier estava a ser executado e a ideia era ser mais independente dos Móveis 80. Foi uma viragem, acabei por me integrar ainda mais, todos tivemos que nos adaptar.”
Aliás, a integração e adaptação das três gerações desta empresa foi sempre natural. Todos começaram a trabalhar nas férias e fins de semana, até fazerem parte da equipa. Eduarda Filipa não fugiu à regra e representa a terceira geração. “O meu objectivo é continuar nesta área”, diz a jovem, que segue as pisadas da mãe como decoradora, tendo ambas investido nos cursos de decoração e Feng Shui.

Recorde-se que a empresa oferece mobiliário personalizado, consultadoria de interiores, arquitetura e decoração de interiores.
Dizer Móveis 80 implica uma referência aos que foram e são parte destes 41 anos de vida, porque, segundo Bruno Santos, “esta é uma empresa familiar e essa relação estende-se aos clientes. A família está sempre a aumentar.”

Teresa Estanislau [em estágio]

*Artigo publicado na edição impressa de 6 de Abril, integrado num DESTAQUE sobre as PME Líder 2020 do concelho de Pombal