Morreu o fundador do Lar da Cumieira vítima de Covid-19

0
2864

Augusto Sol da Graça, que fundou há quase três décadas a Associação Sócio-Cultural, Recreativa e Educativa de Cumieira e Circunvizinhas, na freguesia de Pombal, morreu hoje aos 97 anos de idade, contaminado com a Covid-19 e com outras patologias associadas.
Utente daquela instituição, que viveu momentos de grande aflição devido à contaminação por Covid-19, tendo ali ocorrido grande número de óbitos dos dez contabilizados no concelho até ao momento, Augusto Sol da Graça estava internado numa unidade hospitalar há cerca de um mês.
Apesar de ser natural de Vila Verde, concelho de Ferreira do Zêzere, Augusto Sol da Graça radicou-se na pequena aldeia da Cumieira (Pombal) em 1975, assumindo-se como sua terra Natal.
Cumpriu o serviço militar em Cabo Verde, tendo sido emigrante no Brasil, Uruguai, Argentina, Canadá, Espanha e França, entre 1950 e 1985, considerando-se como “cidadão do mundo”.
Preocupado com o bem-estar dos seus concidadãos, começou a delinear, por sua própria iniciativa, aquela que viria a ser a Associação Sócio-Cultural, Recreativa, Educativa da Cumieira e Circunvizinhas, fundada formalmente em 1993 e que, só em 2012 inaugurou as suas instalações com valência de Serviço de Apoio Domiciliário, Centro de Dia e Estrutura Residencial para Idosos.
Conseguiu, com o apoio da Câmara Municipal de Pombal, viabilizar a construção de um Campo de Futebol naquela aldeia, tendo recorrendo aos meios técnicos das Forças Armadas para a realização dos trabalhos de terraplanagem do terreno e abertura de uma rua entre aquele e a sede da associação. O recinto desportivo viria a ser inaugurado em 1995 com a apresentação pública da União Sudoeste Sicó, que também impulsionou, constituída por sete equipas de futebol, masculinas e femininas.
Entre 1988 e 1995 presidiu à Comissão da Capela da Cumieira, tendo lutado pela legalização dos terrenos onde se encontra o templo e o salão paroquial, e onde funcionou os primeiros Serviços de Apoio Domiciliário junto da população mais idosa e necessitada da zona.
Augusto Sol da Graça impulsionou e contribuiu para que fosse possível a colocação de toponímia em diversos arruamentos dos lugares de Arroteia, Outeiro Galegas, Pousios, Cumieira, Vicentes, Guístola, Ponte de Assamaça, entre outros.
Em 2000, a Câmara Municipal de Pombal, presidida por Narciso Mota, reconheceu a sua “força de vontade e querer genuíno” bem como o seu “contributo para o desenvolvimento do concelho”, atribuindo-lhe a Medalha de Mérito Municipal, em Bronze.

Partilhar
Artigo anteriorUnião de Freguesias do Oeste lança ‘app mobile’ pioneira
Próximo artigoN(A) ESCOLA DA VIDA | 007: missão (im)possível
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.