José Miguel Medeiros troca o Parlamento pela “gestão florestal”

0
1620

O socialista, presidente da Assembleia Municipal de Ansião, José Miguel Medeiros, foi o escolhido pelo Governo para pôr em prática a empresa pública de desenvolvimento e gestão florestal que será instalada em Figueiró dos Vinhos. Miguel Medeiros já renunciou ao seu mandato de deputado à Assembleia da República, eleito por Leiria, sendo substituído por Odete João.
Natural da vila de Avelar (Ansião), José Miguel Medeiros foi governador civil de Leiria e secretário de Estado da Protecção Civil. Contactado pelo nosso jornal, confirmou o novo cargo, mas recusou-se a prestar quaisquer declarações por enquanto.
A criação da empresa pública foi anunciada, no passado mês de Março, pelo ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Capoulas Santos, tendo como objectivo fundamental “demonstrar como é possível gerir de forma rentável a floresta, particularmente nas zonas de minifúndio”. Ou seja, visa, essencialmente, “demonstrar como pode ser profissionalmente gerida a floresta, como pode dar rendimento e como se pode prevenir os incêndios”.
Entretanto, segundo o que o nosso jornal conseguiu apurar, a FlorestGal pretende “promover a concentração de propriedades florestais”, auxiliando os seus proprietários a agruparem-se para que ganhem “dimensão” e tirarem, assim, rendimentos económicos.
Por outro lado, irá “demonstrar boas práticas e modelos modernos de gestão” da floresta. “Trazer tudo aquilo que são os princípios de governação de uma floresta moderna”, revela a nossa fonte.
Para tal, irá desenvolver um “trabalho de articulação” com as câmaras municipais, juntas de freguesia, associações de produtores florestais e privados, actuando como um parceiro num processo muito semelhante ao do emparcelamento.

Partilhar
Artigo anteriorGPS observa morcegos na Serra do Sicó
Próximo artigoDia Mundial da Prevenção do Suicídio
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal”, quinzenário com o qual deixou de colaborar no final de Maio de 2020.