Deputados pedem execução do troço do IC8 entre Pombal e Avelar

0
578

Os deputados do Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata (PSD) apresentaram recentemente um projecto de resolução que recomenda ao Governo que “execute com urgência o troço do Itinerário Complementar (IC)8 entre Pombal e Avelar (Ansião), com a inclusão de um nó de acesso desnivelado no Parque Empresarial do Camporês, e proceda à cabimentação dos recursos financeiros”.
O anúncio surge depois de uma visita dos deputados eleitos pelo círculo de Leiria, no dia 20 de Outubro, a várias infra-estruturas da região, entre elas o IC8, na zona do Parque Empresarial do Camporês, em Ansião.
Argumentam os deputados que o IC8 é “uma das vias estruturantes da região do Pinhal Interior” e lembram que a sua requalificação “não está ainda terminada”. Em falta está a intervenção no troço entre Pombal e Avelar, numa extensão de cerca de 20 km, “que actualmente é uma adaptação da antiga Estrada Nacional 237, com bastantes cruzamentos de nível que têm provocado um significativo aumento da sinistralidade rodoviária, incluindo um número elevado de vítimas mortais”, aponta o PSD. “Em 2010, depois de muitos anos de luta, este troço foi finalmente incluído na Concessão do Pinhal Interior Norte, no entanto não foi possível concretizar esta intervenção”, lamentam os deputados, apontando, ainda, o “elevado tráfego de veículos pesados, nomeadamente de transporte de madeira dos vários concelhos do Pinhal Interior, para as fábricas de celulose da Praia da Leirosa e para o próprio Porto da Figueira da Foz” como factor a ter em conta.
“Passados todos estes anos, e depois de tantas mortes neste traçado, é premente a execução do troço entre Pombal e Avelar (Ansião), com a inclusão de um nó de acesso desnivelado no Parque Empresarial do Camporês, conforme o projeto que integrava a referida concessão.”, recomendam os sociais-democratas ao Governo.
“Recentemente, um estudo europeu, apresentado pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, sinalizou este troço como via de ‘alto risco’, onde não existem faixas extras, iluminação adequada, passagens desniveladas, bermas, entre outras questões sinalizadas”, concluem os deputados.