Crianças autistas obtiveram “grandes avanços” através da escalada e do ioga

0
902

Fortalecimento das competências sociais, melhorias ao nível da coordenação motora, aumento da força muscular e confiança no próprio corpo. “Foram grandes os avanços” alcançados pelas crianças que participaram no projecto “Autismo – corpo e mente”, desenvolvido pela Associação PARA (Projecto de Apoio e Recursos para o Autismo). No final, fica a certeza dos benefícios da escalada e do ioga na evolução das crianças com espectro do autismo.

“Ao fim de quase um ano de projecto, percebemos que foram grandes os avanços para estas crianças, tanto a nível físico como a nível psicológico”, sublinhou o presidente da direcção da Associação PARA, dando conta das melhorias em termos “de motricidade fina e grossa, da noção de espaço, da força muscular e da confiança no próprio corpo”, mas também ao nível da “interacção social”, que é “uma das grandes dificuldades do autismo”.

O “crescimento [foi] exponencial”, contou Patrick Mendes, dando como exemplo a escalada, onde “os meninos inicialmente metiam o pé na primeira presa e ficavam por ali”, sendo que “agora sobem e descem a parede toda com muita confiança”.

Efectivamente, “no início das sessões notava-se nas crianças alguma dificuldade e medo de subir a parede”, concordou a monitora de escalada, destacando “uma grande evolução”, sobretudo “no equilíbrio e na coordenação motora, que faz muita diferença no dia-a-dia deles”.

Por isso, Carolina Caetano não tem dúvidas relativamente às mais-valias da escalada para estas crianças. E apesar da “grande evolução”, “há claramente espaço para continuarem a evoluir”, até porque “estas crianças têm uma capacidade incrível de evolução, tanto que temos de estar constantemente a mudar os objectivos”.

Portanto, “entendemos que os objectivos foram todos atingidos e alguns suplantados”, pelo que se justifica “continuar com estas actividades englobadas no processo de intervenção terapêutica dos miúdos”, frisou Patrick Mendes.

De salientar que o projecto “Autismo – corpo e mente” envolveu “12 crianças, sendo sete meninas e cinco meninos”, com idades compreendidas entre os dois e os 12 anos, oriundas sobretudo da freguesia de Pombal, mas também do Louriçal, Redinha, União de Freguesias de Guia, Ilha e Mata Mourisca e do vizinho concelho de Ansião.

No total foram realizadas “258 sessões de ioga e escalada”, tendo sido “ultrapassadas as 168 sessões inicialmente previstas”, referiu a coordenadora de projectos da Associação PARA, Viviana Mendes, revelando que “a evolução é mais notória nos mais crescidos, porque nos mais pequeninos havia o entrave da comunicação”, ou seja, eles tinham dificuldade em perceber as instruções dos exercícios.

O projecto, que terminou no passado dia 3 de Novembro, representou um investimento de quase 65 mil euros e foi financiado em 36.430 euros pelo Prémio BPI Fundação “la Caixa” Capacitar.