Candidaturas gastam 215 mil euros nas Autárquicas de 2017

0
183

A campanha eleitoral, nas últimas eleições Autárquicas, no concelho de Pombal, custou às diversas candidaturas – seis partidos e dois grupos de cidadãos – mais de 214.500 euros, de acordo com as respectivas contas divulgadas recentemente pela Entidade das Contas e Financiamentos Políticos, integrada no Tribunal Constitucional.
A maior despesa (73.568 euros) pertence ao PSD, partido vencedor do acto eleitoral de 1 de Outubro de 2017. O partido registou, por sua vez, receitas no montante de quase 75 mil euros, o que traduziu num saldo positivo na ordem dos 1.390 euros.
No entanto, os social-democratas registaram um desvio de quase 26 mil euros em relação ao orçamento de despesa apresentado. O maior gasto (24 mil euros) diz respeito a propaganda, comunicação impressa e digital, seguindo-se estruturas, cartazes e telas com mais de 17.600 euros, e comícios, espectáculos e caravanas com 12.150 euros.
Já o PS, que registou o pior resultado de sempre, gastou 51.704,24 euros, contra os 41 mil euros orçamentados. Nas receitas, os socialistas não contabilizaram mais de 42 mil euros, traduzindo-se num resultado negativo de quase 10 mil euros. Nas maiores despesas encontram-se as rúbricas de propaganda, comunicação impressa e digital, bem como estruturas, cartazes e telas.
Por sua vez, o movimento independente Narciso Mota Pombal Humano (NMPH) foi o que melhor resultado obteve, com um saldo positivo na ordem dos 10 mil euros. O grupo de cidadãos conseguiu receitas de 58.700 mil euros (com destaque para 40.470 euros de subvenção estatal), enquanto as despesas somaram 48.732 euros. À semelhança dos adversários, os maiores gastos ocorreram com propaganda, estruturas, cartazes, comícios e espectáculos. No entanto, só registou um desvio de cerca de 4.200 euros em relação ao inicialmente orçamentado.
Com um orçamento de 12.500 euros, o CDS-PP acabou por gastar cerca de 31 mil euros na campanha eleitoral, conseguindo receitas no valor de 28 mil euros.
Mas contidas foram as campanhas desenvolvidas pelas restantes candidaturas: CDU gastou 4.522 euros, o Bloco de Esquerda 3.126,53, e o grupo de cidadãos Independentes Por Pombal 1.591,62 euros. Todas as candidaturas equilibraram as suas despesas com as respectivas receitas.
Por fim, o Movimento Partido da Terra contabilizou apenas uma despesa de 330,18 euros, face às receitas de 316,68 euros, tendo tido um resultado negativo de 13,50 euros.

*Notícia publicada na edição impressa de 14 de Março

 

Partilhar
Artigo anteriorKids and You traz novo conceito ao comércio tradicional
Próximo artigoAssembleia de Vila Cã pede demissão da presidente da Junta ou requer a sua interdição
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.