A construção do CIMU-Sicó – Centro de Interpretação e Museu da Serra de Sicó, projectado para a aldeia de Poios, na freguesia da Redinha, volta a estar em concurso público, com um valor base superior a 2,1 milhões de euros. O novo concurso surge depois de a anterior empreitada ter sido suspensa e revogada, bem como feitas alterações ao respectivo projecto.
Edificado no sopé da Serra de Sicó, o complexo “será um equipamento polivalente, que reunirá diversas valências e apoiará diversas actividades no sentido de concretizar a nível local alguns objectivos da Estratégia Nacional do Desenvolvimento Sustentável e da Estratégia Nacional para a Conservação da Natureza e da Biodiversidade”, refere a memória descritiva do projecto, acrescentando que “é do interesse de todos divulgar o património histórico-cultural da Serra de Sicó e promover um espaço que apoie a realização de projectos e actividades de educação ambiental e de desportos de natureza, bem como promover os valores naturais associados ao Sítio Sicó-Alvaiázere como factores endógenos de desenvolvimento e de valorização regional e local.”
De acordo com o mesmo documento, o projecto apresenta-se como uma “estrutura onde sobressaem três volumes circulares, forma associada à natureza e aos antigos ‘depósitos de água’ que tantas vezes pontuaram a nossa paisagem”, sendo “grande parte da estrutura ‘camuflada’ pela reposição da forma original do terreno.”
De acordo com Pedro Murtinho, vice-presidente da autarquia, o novo concurso tem por base o projecto anterior, “com a inclusão de algumas alterações, fruto da nova programação e conteúdos previstos para o espaço, nomeadamente: alteração da localização do espaço de restauração, incluindo esplanada exterior; alteração do espaço museológico, assim como a criação de novos espaços expositivos; alteração do auditório para sala expositiva com maqueta tridimensional dinâmica; criação de acesso independente ao espaço das camaratas pelo exterior; melhorada a modelação da envolvente exterior do edifício, assim como a reorganização da zona de estacionamento.” Foi ainda alterada “toda a rede de AVAC e alterada ainda toda a rede eléctrica para adaptação aos novos conceitos expositivos”, adianta.
A aprovação da abertura de novo procedimento concursal para a referida empreitada ocorreu na última reunião do executivo e contou com os votos contra dos vereadores Michael Mota António (NMPH) e Odete Alves (PS).
A autarca socialista realça o facto de a obra ter estado suspensa durante três anos e de agora ser apresentadas “alterações pontuais ao projecto, na componente expositiva, de alojamento e de restauração, transformando o piso superior em ‘bike-hotel’, com estação de lavagem de bicicletas e restaurante com esplanada”. “No piso térreo fica o espaço de museu, auditórios, cozinha e pouco mais”, acrescenta.
Entre outros aspectos, Odete Alves critica a falta de elevadores para facilitar o acesso a pessoas com mobilidade reduzida, bem como o sub-dimensionamento dos espaços de auditório.
Para a autarca socialista, “continua a haver uma grande confusão na definição do que se pretende. O que é que afinal se pretende afirmar para aquele espaço? Tantos anos de espera, exigiam maior criatividade, arrojo, visão e foco. É inaceitável que os custos da hesitação e da inércia desta governação sejam suportados com o dinheiro dos nossos impostos.”
Na mesma reunião camarária, o executivo aprovou, com abstenção da vereadora socialista, revogar o contrato de empreitada anterior. Odete Alves absteve-se, também, quanto à proposta para aquisição de maquete interactiva para o CIMU-Sicó, com o valor estimado de 216.400 mil euros.
A intenção é adquirir “a concepção, fornecimento, montagem, instalação e operacionalização de maquete interactiva do Maciço de Sicó e Concelho de Pombal, respectivo sistema de projecção e software para o Centro Interpretativo Explore Sicó.”

Revogação de empreitada custa 25 mil euros ao município

Cerca de três anos depois de ter suspendido os trabalhos de construção do “CIMU Sicó”, a Câmara de Pombal chegou agora a acordo com a empresa Soteol – Sociedade de Terraplanagens do Oeste, Lda., a quem foi adjudicada a obra, em Setembro de 2014, por 2 milhões e 139 mil euros.
A revogação do contrato de empreitada resulta depois de as duas entidades reconhecerem, por mútuo acordo, que “não estão reunidas condições para o cumprimento do contrato.” No âmbito do acordo, o município ressarcirá a empreiteira no valor de 25 mil euros.
De referir que os trabalhos já executados no âmbito da empreitada totalizam pouco mais de 540 mil euros, que já foram facturados e pagos pelo município.

Partilhar
Artigo anteriorInvestimento de um milhão de euros em praias do concelho
Próximo artigoHospital prepara criação de unidade de convalescença
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.