“Uma homenagem singela”

0
846

Um ano depois do falecimento de Tó Silva, João e Ricardo Silva, os filhos do músico, prepararam um concerto de homenagem que encheu o auditório do Teatro-Cine de Pombal no passado dia 29 de Dezembro. As duas sessões do espectáculo organizado pelos jovens em parceria com o Município de Pombal, à tarde e à noite, comoveram o público e recordaram o ícone pombalense.

Pouco antes da actuação, os irmãos falaram com o Pombal Jornal sobre os momentos que viriam a marcar a plateia. João Silva, o filho mais velho de Tó Silva, a cargo de quem ficou a viola, explicou que no alinhamento constavam vários “colegas que têm tocado connosco”. Assim, depois da apresentação feita por Ana Cabral, passaram pelo palco vários músicos. Foi o caso do contrabaixo, da bateria e do saxofone. Além destes, marcaram presença “dois músicos do trio do qual o meu pai fez parte, que era o La Folie: o Tozé na guitarra e o Dani nas teclas”. Minutos antes de subirem ao palco, Ricardo Silva, que toca guitarra portuguesa, esperava que o evento fosse “uma homenagem singela”. O mais novo dos irmãos frisou ainda que “estamos entre família e amigos e queremos recordar não só a vida pessoal do meu pai, mas também a vida profissional, que acabam por se cruzar e por se misturar. É o reviver um pouco da vida artística do meu pai”.

Quando questionados sobre o grau de nervosismo que o momento trazia, os dois irmãos assumiram sentir a responsabilidade do legado deixado pelo pai, mas afirmaram estar “absolutamente descontraídos, porque o projecto continua e há-de continuar”.

O evento não se tratou de uma edição única, já que os filhos pretendem “continuar com este espectáculo de homenagem ao Tó Silva, à partida nesta altura do final do ano, que marca o aniversário do falecimento do pai”.

Foi no dia 22 de Dezembro de 2012 que António de Oliveira Silva partiu, aos 56 anos de idade, vítima de doença súbita. Cerca de um mês antes tinha sido distinguido pelo Município de Pombal, juntamente com os filhos, com o grau ouro da Medalha de Mérito Cultural. Natural de S. Pedro do Sul, residia em Pombal há cerca de 40 anos. Sempre com a guitarra portuguesa como paixão maior, Tó Silva partilhou muitas vezes o palco com os dois filhos e foi com o trio Tó Silva & Filhos que levou o fado pelo país, sempre com orgulho na insígnia pombalense, percurso que os filhos querem prosseguir. “A ideia é continuarmos com a homenagem ao Tó Silva”, afirmaram, não tecendo qualquer comentário sobre a proposta socialista, recentemente aprovada na Assembleia de Freguesia de Pombal, com vista à criação da Grande Noite do Fado – Memorial Tó Silva.