Louriçal está a “apanhar o comboio do desenvolvimento”

0
1260

As Festas de Louriçal apresentam algumas novidades em 2015, nomeadamente com as entradas pagas, a primeira Feira de Actividades Económicas e o embelezamento das ruas. A abertura está agendada para 13 de Agosto, com a presença do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, que irá presidir à inauguração da Zona Industrial.

ANA DE JESUS (texto)

De 13 a 16 de Agosto, Louriçal recebe as tradicionais Festas em Honra de Nossa Senhora da Boa Morte, que desde o ano passado passaram a ter uma comissão organizadora independente da Junta de Freguesia. “O meu objectivo era devolver as festas ao povo, porque só assim voltaríamos a ter festas de grande destaque”, frisou José Manuel Marques, que logo no primeiro ano de mandato fez questão de levar avante a sua ideia.

Contudo, a Junta de Freguesia continua a ter um papel importante na dinamização dos festejos, nomeadamente com o apoio logístico e um subsídio de 17 mil euros. Neste ponto, o Presidente de Junta aproveitou para esclarecer que no ano passado foi atribuído precisamente o mesmo valor, e que a rubrica “Festas” referente às contas de 2014 ascendia a 30 mil euros pois incluía todas as festas realizadas ao longo do ano e iluminações.

Neste novo modelo, a expectativa é que as coisas corram de feição. No seu entender, “o método que se preparou para estas festas foi bem pensado”, pelo que, “se não der resultado, não foi por falta de pensá-lo”. Uma dos meios para envolver as instituições e garantir a vendar de entradas nos espectáculos, é que as instituições que participam não têm de pagar nada, mas ficam com a obrigação mínima de vender cem pulseiras.

Vários palcos em simultâneo fora de questão

“Este ano quisemos fazer as coisas de maneira diferente”, assumiu José Manuel Marques, que, com a experiência de 2014 notou que ter em simultâneo artista de maior projecção e artistas locais “por vezes, está a prejudicar os artistas locais”.

Assim, a opção passou por ter um grande cartaz, manter o festival de folclore, mas sem outras participações locais em termos de animação a evidenciar. “Isto ainda não é uma cidade, ainda não é uma festa com uma envolvência que dê para ter palco dois ou três, em simultâneo”, afirma, considerando que a aposta ao longo do ano nos serões culturais acaba por ter um papel mais importante na dinamização do que de bom se faz nas diversas colectividades e instituições louriçalenses.

Contudo, as associações não ficam fora das festas de Agosto, desde logo com a continuidade na dinamização das tasquinhas pela Associação da Moita do Boi e pelo Rancho Folclórico e Etnográfico do Louriçal, e a vertente religiosa será mantida nos moldes a que vem habituando os fiéis.

Estará ainda em destaque a vertente económica, quer pela inauguração da Zona Industrial, onde já estão a ser construídas as instalações de uma empresa, mas também com aquela que será a primeira Feira de Actividades Económicas. “Queremos que venha a ser o futuro, a mostra de empresas”, garante José Manuel Marques, revelando que estarão em exposição mais de duas dezenas de empresas. OS visitantes serão também recebidos com as ruas embelezadas, em motivos que serão surpresa até ao início dos festejos.

Nota:

José Manuel Marques lembrou aquelas que eram as denominadas “Festas do Seco”. Isto porque durante muito tempo as festas religiosas eram separadas das festas populares, porque não havia entendimento entre quem organizava estas últimas e a igreja. As festas populares realizavam-se uma semana após o 15 de Agosto e foram baptizadas com o nome do seu grande dinamizador, o médico da Vila, Dr. Seco. Tal como agora, eram pagas e chegaram a levar a Louriçal nomes como Amália Rodrigues, Fernando Tordo ou Carlos do Carmo.