Lar da Cumieira vai avançar com obras de conservação

0
395

O lar da Cumieira vai ser alvo de obras de conservação no valor de 34 mil euros. Esta intervenção consiste na impermeabilização e pintura exterior do edifício. Mas a Associação Sócio-Cultural, Recreativa e Educativa de Cumieira e Circunvizinhas, que é detentora do lar, tem outros projectos no horizonte.

O investimento será comparticipado em 25 mil euros pela Câmara Municipal

“Vamos avançar com obras de impermeabilização e pintura de todas as paredes exteriores do edifício”, contou o presidente da Associação da Cumieira, salientando que se trata de um “investimento de 34 mil euros”, que será comparticipado em 25 mil euros pela Câmara Municipal de Pombal.
Este é um projecto para avançar entretanto. Mas há mais. A Associação da Cumieira já está a projectar a ampliação do lar, com o objectivo de aumentar a lotação da estrutura residencial para pessoas idosas.
Este projecto prevê reforçar a capacidade da valência de lar com “mais seis camas”, numa ampliação que representa “um investimento de cerca de 74 mil euros”. Todavia, “este projecto está dependente de fundos comunitários, porque a instituição não tem capacidade financeira para fazer face a este valor”, afirmou Joaquim Simões, adiantando que a associação está a “aguardar a abertura de um aviso para candidatar este projecto”.
De salientar que, neste momento, a Associação da Cumieira possui a valência de lar com 27 idosos e o serviço de apoio domiciliário com 43 utentes. Já “o centro de dia está suspenso desde a pandemia Covid-19”.
O aumento da capacidade pretende reduzir o número de inscritos em lista de espera. Afinal, “temos sempre pessoas em lista de espera para o lar e nunca temos capacidade para dar resposta a todos os pedidos, [pelo que] vamos dando resposta conforme as nossas capacidades”, frisou aquele dirigente.
Em termos de trabalhadores, a Associação da Cumieira emprega actualmente 27 pessoas, mas a expectativa é “aumentar o número de colaboradores” após a ampliação do lar, estando prevista a criação de “pelo menos mais três postos de trabalho”.
Estes projectos surgem depois dos momentos conturbados vividos durante a pandemia Covid-19 e num momento em que a Associação da Cumieira “está em boas condições físicas e com as contas financeiras equilibradas”, concluiu Joaquim Simões.

Carina Gonçalves | Jornalista