Em Abiul há um renovado jardim para visitar usando todos os sentidos

0
576

Ver, ouvir, tocar, cheirar e provar. O renovado espaço exterior do Lar Otília Lourenço, em Abiul, convida a uma visita usando todos os sentidos. Aquele local foi transformado num jardim sensorial que pode ser utilizado pelos colaboradores, os utentes e as suas famílias, mas também está aberto a outras instituições e parceiros.
“O jardim sensorial é um projecto que a nossa equipa tinha concebido para transformar este magnífico património natural num espaço mais acessível, mais acolhedor, mais estimulante e que atraísse para o exterior tanto os nossos utentes, como os nossos colaboradores”, explicou a presidente do conselho de administração da Fundação Dr. José Lourenço Júnior, proprietária do Lar de Abiul.

O jardim sensorial do Lar de Abiul abriu ao final da tarde de 29 de Setembro

A ideia “resultou de uma reflexão profunda sobre a utilização do jardim”, contou Isabel Vaz Serra, adiantando que o objectivo era promover uma maior utilização deste espaço por parte dos “nossos colaboradores, os nossos clientes e as suas famílias”.
E agora todos podem passear pelos quatro percursos (da terra, da água, da música e do movimento), assim como visitar o cantinho da horta e o outro das plantas e frutos.
“As experiências físicas e sensoriais que se retiram pela utilização destes espaços são muitas” e “os benefícios dos jardins sensoriais estão comprovados em vários estudos, seja na promoção do bem-estar, no alívio do stress, na activação de funções cognitivas, etc.”.
Por isso, “pretendemos que este seja um espaço de partilha de afectos, de convívios e de encontros entre todos”.
Neste sentido, “adoptámos uma política de porta aberta, incentivando os nossos utentes a utilizarem de forma autónoma este espaço”, com a garantia de que “o podem fazer de forma independente, segura e sem percalços, sempre que quiserem e da forma que quiserem”.
E para tirar o máximo proveito deste “espaço magnífico”, “lançámos também o desafio a outras entidades e parceiros” para usarem o jardim sensorial, “dinamizando encontros intergeracionais e outras actividades, como sessões de educação ambiental”. “Há um leque enorme de actividades que podem ser feitas aqui” e “a Fundação Dr. José Lourenço Júnior está disponível para desafios”.
“Estamos num dos melhores lares do concelho”, congratulou-se o vice-presidente da instituição, Esmeraldo da Cruz e Cunha, orgulhoso por testemunhar “mais uma inovação de muito mérito e interesse para os utentes”, pois tem a certeza que este espaço “vai ajudá-los a viver mais algum tempo, a viver melhor e a serem mais felizes”.
De referir que o jardim sensorial foi financiado pelo Prémio BPI Seniores 2022, promovido pelo BPI e a Fundação “La Caixa”.

Carina Gonçalves | Jornalista

*Notícia publicada na edição impressa de 13 de Outubro