CDS-PP retira confiança política ao executivo da Junta de Abiul

0
5397


A Comissão Política Concelhia de Pombal do CDS-PP retirou a confiança política ao executivo da Junta de Freguesia de Abiul, constituído por Sandra Barros, Pedro Barros e Miguel Martins, eleitos pelo partido nas Autárquicas de 2013. Por outro lado, reiterou a sua confiança a todos os membros da Assembleia de Freguesia, igualmente eleitos pelo partido.
A decisão foi tornada pública pelo presidente da Concelhia, Sidónio Santos, na noite desta quinta-feira, dia 27, numa comunicação à imprensa, sem direito a perguntas.
Depois de ter feito uma resenha sobre a relação entre o CDS-PP e a presidente da Junta de Freguesia de Abiul, Sandra Barros, que remonta a 2013 quando o partido “apoiou uma candidatura independente” à autarquia até então liderada pelo Partido Social Democrata (PSD), Sidónio Santos considerou que “durante estes quase quatro anos de mandato” do actual executivo local, o partido “deu total apoio” e “soube respeitar sempre a sua independência, tendo colaborado activamente na consecução e promoção de muitas iniciativas operadas na freguesia”.
A “título de curiosidade”, o dirigente centrista e candidato à Câmara de Pombal afirmou que foi a estrutura concelhia do partido que “elaboramos quase todos os discursos públicos da Sandra Barros”. “Caros abiulenses, quando liam as notícias sobre a vossa terra e que vos faziam sentir orgulhosos, foi o CDS-PP que fez com que isso acontecesse e não o executivo, pois nem sequer sabiam como fazer”, referiu.
Por outro lado, Sidónio Santos afirma que uma das “promessas eleitorais de 2013 e que constava no programa eleitoral do CDS-PP era a realização da auditoria à gestão dos executivos anteriores, todos eles do PSD”. Um processo que terá sido iniciado em 2014 e que foi entregue em 2015 ao executivo da Junta. “A partir desse momento, a Concelhia do CDS-PP sempre pressionou a presidente da Junta de Freguesia, Sandra Barros, para apresentar o resultado da auditoria em sede de Assembleia, a qual invocou sempre que não havia nada de grave e outros entraves políticos, que na altura pensámos ser verdadeiros”, considera Sidónio Santos, acrescentando que perante aquela “inércia e incapacidade”, o líder da bancada do CDS-PP, Marco Jesus, requereu que tal fosse feito na última Assembleia de Freguesia, o que aconteceu. Conclusões que, no entender do partido, “indiciam a prática de má gestão de fundos públicos de forma explícita, o que contradiz a versão sempre defendida pela presidente da Junta”, frisa.
Sidónio Santos está convicto que “houve uma intenção premeditada do actual executivo” para que aquele relatório “não fosse apresentado” e que “nada fizeram para que o mesmo fosse enviado para as entidades oficiais aferirem se há indícios de foro jurídico-legal, pois estariam a beliscar o seu futuro político e as suas ambições pessoais”.
O dirigente centrista acusa, também, os membros do executivo de “deslealdade”, considerando que “queriam impor uma coligação por vontade própria, pois comprometeram-se com outro partido, deram o seu consentimento, sem sequer falarem com o CDS-PP, partido que os apoiou durante estes quatro anos”.
“Consideramos que é uma decisão incoerente e sei que não é aquilo que os abiulenses querem, pois os rostos podem ser diferentes, mas sei que não querem voltar ao passado”, afirma Sidónio Santos, realçando: “em 2013 houve um movimento para fazer a mudança da freguesia, mudar-se de projecto. Conseguiu-se. Agora chegado a 2017, querem voltar ao passado”.

Partilhar
Artigo anteriorScoro Bicycle: a nova marca de bicicletas portuguesa
Próximo artigoJunta de vacas ainda ajuda nos trabalhos agrícolas
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal”, quinzenário com o qual deixou de colaborar no final de Maio de 2020.