O antigo presidente da Câmara de Pombal e actual vereador da oposição, Narciso Mota, voltou a criticar a gestão do seu sucessor e seu ex-vice-presidente, Diogo Mateus.
Na última reunião do executivo, o agora autarca independente acusou o edil social-democrata de não ter “poder nenhum de decisão” nem “determinação” e “objectividade”, mas sim, e só, “competência política” limitando-se a fazer “propaganda política”.
O verniz estalou, mais uma vez, quando o assunto em discussão se referia à empreitada de beneficiação da Casa Varela. Depois de o executivo ter renunciado o contrato com o empreiteiro por incumprimento de prazos, em cima da mesa estava a adjudicação de uma nova empreitada, por mais de 517 mil euros.
Narciso Mota sempre criticou aquela empreitada e voltou a fazê-lo na reunião do passado dia 12, chegando a afirmar que o processo “devia ser investigado”, levando o presidente da Câmara a perguntar-lhe se queria que o município requeira “uma investigação à Polícia Judiciária”.
Para além de criticar o projecto de beneficiação do imóvel, adquirido durante a sua presidência, o vereador eleito pelo movimento Narciso Mota Pombal Humano (NMPH), discorda que a primeira empreitada tenha sido adjudicada ao único concorrente, de Bragança, e esta segunda só ter tido dois duas propostas. “Este processo devia ser esclarecido e averiguado”, afirmou, dirigindo algumas críticas ao pelouro das obras públicas, dizendo ao vereador que tutela a pasta, Pedro Murtinho, que “ainda tem muitos para aprender”.
A discussão levou a que, pouco depois, Diogo Mateus tenha acusado o seu antecessor de “ter assinado um acordo que não cumpriu”, relativamente a um conflito com uma munícipe de Abiul e que acabou com o tribunal a ordenar ao município o pagamento de uma indemnização superior a 500 mil euros. “Também pode olhar para trás e ver que fazendo, ou não fazendo, pode prejudicar esta casa”, disse o presidente da Câmara.
Narciso Mota não demorou a responder. “A sua ingratidão, a sua inveja e a sua vingança é plausível, é evidente”, afirmou o vereador dirigindo-se ao edil, considerando que “a história faz-se no futuro e saber-se-á onde está a verdade, onde está a imparcialidade, a competência, o revanchismo, a vingança e a inveja”. “O senhor não era nada se não fosse eu a pô-lo aqui como vereador”, frisou, dizendo que se candidatou nas últimas eleições “porque o senhor não respeitou aquilo que assumiu comigo”.
“Esta Câmara está muito mal se continuar assim a fazer propaganda, e a fazer gestão que eu considero contraproducente”, concluiu Narciso Mota, sem ter havido qualquer resposta por parte de Diogo Mateus, que prosseguiu com a reunião de Câmara, passando à apreciação do ponto seguinte constante na ordem de trabalhos.
A nova empreitada de beneficiação das instalações da Casa Varela, que prevê a execução de obras de acabamentos na sequência da renúncia de contrato com o empreiteiro anterior, foi adjudicada à Soteol – Sociedade de Terraplanagens do Oeste, Lda, pelo valor de 517 mil euros, mais IVA, e com um prazo de execução de 240 dias.
A adjudicação foi aprovada pela maioria social-democrata, com dois votos contra (vereadores do NMPH Narciso Mota e Anabela Neves) e uma abstenção (Odete Alves). A vereadora socialista considerou que “pede-se que seja uma obra imaculada” uma vez que “não pode haver derrapagens de prazos”. Daí ter dito que ficava “um bocadinho preocupada se a Soteol terá condições para cumprir o prazo”, tendo em conta “o passado muito recente” com a construção do Centro Escolar de Meirinhas em que aquela empresa “não conseguiu concluir as obras na data prevista”. “Fico com esta hesitação”, frisou.

Partilhar
Artigo anteriorCâmara promove Quinta de Sant’Ana para atrair interessados
Próximo artigoActor brasileiro apresenta filme em Pombal
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.