Brilhante pede demissão de Diogo Mateus

0
480

O vereador sem pelouros Pedro Brilhante voltou a acusar o presidente da Câmara de “condutas criminosas”. Na última reunião do executivo, começou por informar que tinha entregado uma queixa no Ministério Público contra Diogo Mateus pela eventual prática de crimes de peculato, peculato de uso e falsificação de documentos.

Diogo Mateus e Pedro Brilhante

Em causa estará uma série de documentos que o vereador terá pedido e que, segundo ele, comprovam o uso reiterado da viatura do Município por parte do edil, mesmo em períodos de férias ou a horas improváveis de estar em trabalho autárquico. Pedro Brilhante vai mais longe e afirma que Diogo Mateus terá apresentado recibos de portagens espanholas, por onde terá andado de férias, “e o seu chefe de gabinete paga-as, justificando como despesas de representação do Gabinete de Apoio à Presidência”. O vereador diz ainda que há várias multas por excesso de velocidade, pagas pelo Município em dobro por não identificação do condutor, quando o edil terá prestado declarações por escrito ao DIAP em que diz ser o único que conduz a viatura. Começando a sua intervenção por admitir que “é um calvário” receber documentação desta Câmara e que tal só aconteceu após ter apresentado duas queixas no Tribunal Administrativo, Pedro Brilhante dirigiu-se a Diogo Mateus dizendo que “o senhor vai sistematicamente, várias vezes por semana, a Lisboa, Coimbra, Santa Maria da Feira e Leiria, e faz isto fora do horário de trabalho, quando as instituições estão fechadas, de madrugada e, pior que tudo, em períodos de férias”. O vereador instou ainda o edil a dizer o que foi fazer “centenas de vezes a Coimbra, sempre fora do horário de expediente”, antes de concluir que “isto não é forma de gerir os dinheiros públicos. Não é um comportamento digno de um presidente de Câmara”. Por isso, disse, “demita-se para que não faça passar os pombalenses por mais uma vergonha de ter o presidente em exercício ser constituído arguido e perder o mandato ainda nesse exercício”.

Diogo também faz queixa de Brilhante
Em resposta ao vereador, Diogo Mateus afirmou que o assunto já foi remetido às entidades competentes para investigarem e que, por isso, não tinha mais nada a dizer. Contudo, dirigiu-se a Pedro Brilhante dizendo que “o seu conceito de presunção de inocência já não existe porque o seu julgamento está feito. O que interessa é enlamear e isso já o fez”. Depois, garantiu que o cidadão Diogo Mateus irá remeter as declarações proferidas na reunião, por parte do vereador, para as vias judiciais “porque o senhor tem de ter mesmo a certeza do que está a dizer”. Pedro Brilhante disse esperar ansiosamente por essa queixa e para ver se partia mesmo do cidadão e não do Município de Pombal.

*Notícia publicada na edição impressa de 6 de Agosto