Memória colectiva perpetuada em mural pintado por artista de Almagreira

0
1173

É numa das fachadas laterais da antiga escola primária de Almagreira que está pintado aquele que é o primeiro mural público de João Pedro Ribeiro, um jovem artista da freguesia, residente na localidade de Assanha da Paz.

O artista, João Pedro, e Humberto Lopes, presidente do executivo, junto ao mural

Aos 21 anos, o estudante da Escola Superior de Artes e Design (Caldas da Rainha), a frequentar o último ano da licenciatura em Artes Plásticas, concretiza assim o anseio de realizar um trabalho desta natureza. As características, localização e visibilidade do edifício de dois pisos foram o ponto de partida para que, no início deste ano, lançasse o repto à Junta de Freguesia, apresentando, para o efeito, uma foto-montagem daquele que viria a ser o resultado final. Do executivo liderado por Humberto Lopes, João Pedro recebeu a motivação e apoio necessários para avançar com o projecto.
“Há quase dois anos que faço murais como part-time mas, até agora, em espaços privados”, conta o jovem, ainda que este tipo de pintura faça parte do quotidiano do artista há já mais tempo. “Faço grafitis desde os 14 anos”, recorda João Pedro, para evidenciar a experiência na utilização de sprays, mas também as potencialidades deste tipo de material. Só isso explica que em apenas dois dias (14 e 15 de Maio) tenha concluído o mural na escola de Almagreira, reservando para o dia 16 apenas alguns “retoques”.
“A arte urbana está muito associada às cidades e este trabalho mostra que ela também pode estar presente nos meios rurais”, evidencia o estudante de Artes Plásticas, que descobriu cedo a paixão que haveria de lhe moldar o percurso académico e profissional.

A jovem protagonista do mural
Mas, afinal, quem é a jovem que surge no mural, vestida com trajes antigos? Para quem não é de Almagreira, a resposta aponta facilmente para uma imagem idealizada pelo autor, mas a verdade é que a protagonista da pintura é também da freguesia (Barros da Paz), assim como o fotógrafo, Guilherme Silva, que lhe deu vida nos retratos que inspiraram João Pedro. “Temos todos 21 anos e fomos colegas na escola primária”, conta o artista, a título de curiosidade.
“Sendo Almagreira uma zona rural e tendo aqui o museu etnográfico ao lado, faz sentido mostrar uma imagem da memória colectiva”, explica João Pedro.

Junta quer continuar a apoiar os artistas
Visivelmente satisfeito com o resultado do mural e com a projecção que o trabalho tem tido através das redes sociais, o presidente da Junta de Freguesia diz que “é um orgulho ter aqui alguém com este talento” e aproveita para desafiar todos os outros almagreirenses “que ainda não tiveram coragem” para mostrar o seu talento, para que o façam. “A Junta só pode estar ao lado deles e dar-lhes as condições que forem possíveis”, sublinha Humberto Lopes.
Uma ideia partilhada por João Pedro, que vai ainda mais longe nesta necessidade de apoiar os artistas locais. “Era giro que o Município agarrasse nos talentos do concelho e lhes desse visibilidade”, ao mesmo tempo que lamenta que muitos dos eventos culturais que decorrem em Pombal não sejam devidamente promovidos, o que inviabiliza a possibilidade de chegarem a mais público.
Ainda com a vida profissional a desenhar-se no horizonte, João Pedro tem uma certeza: “quero mesmo viver da pintura”. E os objectivos já estão bem definidos, o que passa por “criar uma empresa” especializada em pintura mural, transformando aquele que é agora um hobby numa actividade a tempo inteiro. “Nunca tive dúvidas sobre o que queria seguir”, afirma. Para além de murais, João Pedro faz também pintura em tela e outros suportes, recorrendo aos sprays e tintas acrílicas. O trabalho do artista pode ser acompanhado nas redes sociais ou através do site https://joaoribeiro.art.

*Notícia publicada na edição impressa de 2 de Junho