Noémie Freire já é a primeira mulher especialista em submarinos

0
578

A pombalense Noémie Freire concluiu o curso de especialização em submarinos, tornando-se a primeira mulher na Marinha Portuguesa com aquela especialidade, em 105 anos de história dos submarinos em Portugal. A primeiro-marinheiro irá prestar serviço a bordo do NRP Tridente.

Para a militar da Marinha, que concluiu o curso juntamente com outros seis militares, a primeira reacção é de “orgulho, por mais uma etapa alcançada”.
Noémie Freire, de 30 anos, fez toda a sua formação escolar em Pombal, tendo ingressado na Marinha Portuguesa em Janeiro de 2007 para realizar o curso de formação de praças na especialidade de operações.
Após a conclusão do curso e até 2017, ano em que foi admitida no curso de especialização em submarinos, para o qual se voluntariou, desempenhou funções a bordo dos NRP Corte Real e NRP Bartolomeu Dias e no Centro de Operações Marítimas do Comando Naval.
“Durante o curso de especialização em submarinos a primeiro-marinheiro Freire demonstrou ser uma militar motivada e interessada, realizando com aproveitamento todas as provas teóricas”, refere a Marinha, acrescentando que “as mais de 900 horas de navegação realizadas no curso permitiram verificar o seu entrosamento e adaptação às especificidades das rotinas a bordo de um submarino e a aplicação dos conceitos e técnicas aprendidas”.
De acordo com a Marinha, a militar está agora habilitada a operar equipamentos de guerra electrónica, recolha de imagens operacionais, operação do sistema de combate e a colaborar em acções de manutenção dos sistemas de armas”.
Noémie Freire decidiu concorrer ao curso de submarinista quando a Marinha abriu aquela formação a mulheres, pondo fim a uma exclusão centenária. A militar foi a única mulher admitida ao curso, depois de ter cumprido critérios de selecção rigorosos. Um feito que fez com que a primeiro-marinheiro fosse recebida, em Dezembro do ano passado, pelo então Chefe do Estado-Maior da Armada (hoje Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas), almirante António Silva Ribeiro, também natural de Pombal, que pretendeu inteirar-se das motivações que levaram aquela militar a concorrer ao curso de especialização em submarinos, tendo igualmente incentivado a empenhar-se com determinação no exigente curso, para que possa ser a primeira mulher a integrar a guarnição de um submarino português.

Notícia publicada na edição de 03 de Janeiro

Partilhar
Artigo anteriorJunta de Abiul sem verbas para recuperar moinhos
Próximo artigoColisão com camião em fuga faz ferido grave e outro ligeiro no IC8
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.