Soure volta a cumprir tradição do São Mateus adaptada à pandemia

0
518

As festas e feiras anuais de São Mateus, em Soure, estão, mais uma vez, condicionadas devido à pandemia. Ainda assim, entre esta quinta-feira (dia 16) e terça-feira (21), a vila festeja o seu padroeiro com um programa adaptado, que permite “manter a tradição” sem “qualquer descontinuidade”, sublinha o presidente da Câmara Municipal, que está “confiante” do sucesso do evento, que vai cumprir “escrupulosamente” o Plano de Contingência aprovado pelas autoridades de saúde.

Rita Guerra actua no sábado (18 de Setembro) nas Festas de São Mateus

Com as romarias proibidas até 30 de Setembro, o São Mateus adaptou-se a esta nova realidade para não descurar “a promoção do concelho e a coesão social e concelhia das gentes de Soure”, destaca Mário Jorge Nunes. Neste sentido, o certame promete animar a Vila de Soure durante cinco dias, apostando numa “maior distribuição de espaços e pessoas” e sem romaria. O objectivo é receber “um grande número de pessoas” com “segurança”, mas também garantir a “sustentabilidade” do evento para que “os feirantes sintam que vale a pena virem até Soure mostrar os seus produtos” e “os munícipes sintam o espírito de São Mateus”, onde se continua a “promover os nossos produtos agrícolas e a nossa região”.

Por isso, o autarca está “confiante que o certame pode ter outra dimensão”, embora seja bem menor à dos tempos pré-pandemia, em que “no fim-de-semana de São Mateus vinham a Soure mais 100 mil visitantes”. “Obviamente que não é isso que esperamos para o panorama actual, nem se pretende que aconteça em 2021”, frisou.

 

Feiras e festas acontecem em dois espaços distintos

As actividades comerciais e os espectáculos acontecem em “dois espaços totalmente distintos” da vila de Soure.

“As actividades comerciais decorrem num conjunto de espaços de oito hectares, composto pelo Espaço 1111, o Parque da Várzea, a Várzea das Mós, o Parque dos Bacelos e os terrenos da Feira Generalista, todos situados na zona baixa de Soure, com a confluência dos rios Anços e Arunca”, disse ao Pombal Jornal Mário Jorge Nunes.

“A feira vai funcionar em recinto totalmente fechado, com seis entradas e saídas controladas, onde as pessoas devem circular com sentido de responsabilidade e conscientes das regras adoptar”, adiantou o edil, apelando ao uso de máscara nos locais de maior afluência de pessoas, à desinfecção das mãos e ao distanciamento social.

O “controle de entradas” pretende “limitar o número de presenças” nos mais de oito hectares destinados às actividades comerciais, onde “serão permitidas em permanência seis mil pessoas”, explicou o autarca, solicitando às pessoas para “visitar os espaços em horas consideradas de menor afluência”.

De referir que a FATACIS conta com 50 expositores em barraquinha (cujos lugares já estão esgotados) e cerca de 40 feirantes em espaço aberto. Por sua vez, na Feira da Madeira estão autorizados quatro participantes.

Já os espectáculos realizam-se na Praça da República, em frente aos Paços do Concelho, onde as entradas são gratuitas, mas é “necessário apresentar bilhete”. Trata-se de um “espaço reservado”, “apenas dedicado aos concertos”, que tem lotação para 990 pessoas e onde é “proibido a venda de qualquer tipo de bebida ou de comida”.

 

Dia do Município reconhece “esforço colectivo” para mitigar pandemia

A pandemia, que condicionou os festejos, vai marcar também o Dia do Município, que se comemora a 21 de Setembro, coincidindo com o encerramento do São Mateus. Este ano, a data serve para “reconhecer o esforço colectivo em prol da mitigação da pandemia”, revelou o presidente da autarquia.

Desta forma, a Câmara Municipal decidiu atribuir Medalhas de Honra – Grau Bronze às três unidades de saúde do concelho (Unidade de Saúde Familiar VitaSaurium, Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados e Unidade de Cuidados na Comunidade), bem como à coordenadora do Centro de Vacinação, Maria Cristina Cera, e ao corpo activo dos Bombeiros Voluntários do Concelho de Soure. Estas distinções visam reconhecer sobretudo a “forma exemplar” como decorreu o processo de vacinação.

O momento servirá ainda para atribuir um Voto de Louvor a todos os funcionários do município e das freguesias, que colaboraram na campanha de vacinação, mas também noutros eventos de acção excepcional, como foram os incêndios, as cheias, o acidente ferroviário e a tempestade Leslie.