Festival Pombalino dá destaque ao papel das mulheres na época do Marquês de Pombal

0
1159

Festival regressa este fim-de-semana ao centro histórico da cidade e pretende ser uma recriação histórica “cuidada e rigorosa” das vivências do século XVIII, onde se incluem estátuas vivas barrocas. Evento está inserido no projecto “Maio Mês do Marquês”.

O papel da mulher durante o período de governação do Marquês de Pombal está em destaque nesta edição do Festival Pombalino, que decorre em Pombal já este fim-de-semana, dias 25 e 26.
Na apresentação do evento, no passado dia 17, no Museu Marquês de Pombal, a coordenadora do espaço museológico, Cidália Botas, adiantou que a temática deste ano é dedicada às “mulheres no pombalismo”, isto porque, “ao contrário do que muita gente pensa, houve, nesta altura (de 1750 a 1777), um grande destaque e uma grande emancipação da mulher”. Cidália Botas explicou que “as mulheres passaram a ter um papel mais activo na sociedade” e muitas delas destacaram-se mesmo em diversas áreas.
Segundo a coordenadora do Museu Marquês de Pombal, o evento combina animação com iniciativas de cariz cultural e pedagógico, a partir de “uma recriação histórica bastante cuidada e rigorosa, em que tentamos ao máximo recriar aquilo que eram as vivências do século XVIII”.
“Nem todos os municípios têm a sorte de ter um legado pombalino, como Pombal tem. E, tão pouco, o único museu monográfico dedicado a este nobre e polémico estadista”, constatou Cidália Botas. “Por esse motivo, e por tudo aquilo que o Marquês de Pombal fez na nossa antiga vila, acho que nos devemos, cada vez mais, afirmar como uma cidade pombalina e afirmar como uma cidade que tem um marco histórico”.


Para o presidente da Câmara de Pombal, Pedro Pimpão, o tema do Festival Pombalino deste ano pode ser visto como uma reacção a tomadas de posição que, hoje, colocam em causa o papel da mulher na sociedade.
“Acreditamos que a mulher tem, realmente, um papel muito activo a desempenhar, como teve no passado”, mas, “às vezes, não é tão valorizado ou [até é] esquecido, porque, normalmente, as figuras históricas são mais masculinas”.
Com o evento deste fim-de-semana pretende “dar a conhecer as mulheres e o que elas fizeram. E, depois, as pessoas tirem as suas conclusões”.
O autarca destacou ainda a importância do Marquês de Pombal para o município. “É, naturalmente, uma das personalidades da história mais controversas. Isso não é mau. Porque há uns que gostam mais, outros gostam menos, mas é inquestionável que foi uma personalidade marcante na história do nosso país”, notou Pedro Pimpão.
Para divulgar o impacto da governação pombalina, Pombal promoveu também hoje a apresentação de um novo jogo de tabuleiro, “O legado de Marquês de Pombal”, que pretende transmitir o impacto da acção do primeiro-ministro de D. José I às novas gerações.
“Tenho a certeza de que a esmagadora maioria [dos jogadores] vai ficar mais entusiasmada sobre, realmente, um homem que, nas décadas que teve de responsabilidade em várias áreas, deixou uma marca muitíssimo diferenciadora”, frisou Pedro Pimpão.


A programação do Festival Pombalino contempla recriações históricas, cortejo, animação de rua, teatro, música, danças ciganas, barrocas e palacianas, visitas encenadas, poesia, tasquinhas, jogos tradicionais, trajes e costumes, artes e ofícios tradicionais, entre outras actividades, num total de quase meia centena de momentos na zona histórica da cidade.
O habitual envolvimento comunitário associado à programação foi reforçado nesta edição. “A par de todos os apoios que temos tido nos outros anos, nomeadamente da Associação Atlas, Conservatório de Música David de Sousa, Academia de Dança Dance Spirit, Paróquia de São Martinho, Amigos do Museu e os lojistas da zona histórica, este ano quisemos alargar também este envolvimento aos mais pequeninos”, revelou Cidália Botas. “Lançámos o desafio à EB1 de Santiago de Litém de nos apresentou uma dança barroca, que vai ser protagonizada pelos meninos do primeiro ano”.
Na programação está incluído o Festival de Estátuas Vivas Barrocas, com a exibição de 14 figuras que valorizaram e destacaram a acção da mulher durante a época barroca.

As estátuas vivas barrocas são uma das atracções do evento