Serviços da cidade abrem portas à inclusão

0
803
Grupo que visitou o jornal, acompanhado das monitoras

Um grupo de clientes da Cooperativa de Ensino e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados de Pombal (CERCIPOM) visitou, no dia 20 de Novembro, o Pombal Jornal. Uma iniciativa integrada no projecto “Os Serviços da Minha Cidade”, dinamizado pelas monitoras da instituição, Fátima Jordão e Raquel Sintra, e que pretende “dar a conhecer os serviços e a cidade aos nossos clientes”, por um lado e, por outro, “dar a conhecer à cidade e aos serviços os nossos clientes”, explicam as promotoras. Isto “para que, de forma gradual, a palavra ‘inclusão’ ganhe sentido e seja verdadeiramente vivida por todos”, realçam aquelas responsáveis.
Para além do jornal, o grupo tem visitas agendadas, até Julho do próximo ano (sempre na última quarta-feira de cada mês), à GNR, Bombeiros, uma rádio local, um cabeleireiro, restaurante ou pastelaria, jardim-de-infância ou escola, supermercado, lar de idosos, espaço de diversão e ainda ao posto de turismo.
Em traços gerais, o projecto coordenado por Fátima Jordão e Raquel Sintra pretende “divulgar a cultura da inclusão, promovendo o crescimento individual e colectivo pela convivência com as diferenças e o reconhecimento do valor da diversidade”. Aos argumentos invocados para a realização da iniciativa acresce a sensibilização “para a acessibilidade de pessoas com deficiência aos serviços, promovendo a eliminação de barreiras físicas existentes”.
As mesmas monitoras da CERCIPOM recordam que a expressão ‘inclusão social’ é ampla e pode ser utilizada em diferentes contextos, ainda que o objectivo que lhe esteja subjacente seja sempre igual: “a igualdade de direitos e oportunidades para todos”. Atendendo aos projectos e acções que têm sido desenvolvidos neste âmbito, há a salientar “um movimento de transformações positivas e que tem beneficiado inúmeras pessoas, nomeadamente os deficientes”. No entanto, advertem Fátima Jordão e Raquel Sintra, “a inclusão continua a ser um desafio para que as pessoas com deficiência exerçam a sua cidadania e participem efectivamente na vida e no espaço da cidade”.