Pombal tem a primeira biblioteca do país com um Espaço Maker

0
589

A Biblioteca Municipal de Pombal tornou-se na primeira do país a receber um Espaço Maker – Dóing Pombal – resultante de uma parceria entre o município e a Fábrica do Centro Ciência Viva da Universidade de Aveiro, tendo o seu director enaltecido aquela decisão “arrojada e inovadora”. Para Pedro Pombo, a iniciativa de Pombal poderá servir de “tubo de ensaio para se criar uma rede de espaços em Portugal.”
O Dóing Pombal é um espaço de “produção criativa que relaciona arte com ciência e engenharia”, onde o público pode “manipular tecnologias digitais e analógicas par explorar ideias, aprender técnicas e criar novos produtos.”
Trata-se de um espaço onde os visitantes “são encorajados a pensar com as mãos e a aprender fazendo”, explicou Pedro Pombo, acrescentando que “é um espaço para criar, fazer, experimentar, construir e partilhar, onde tentativa e erro se conjugam de forma divertida e inspiradora.” Ali, os visitantes têm à sua disposição um conjunto de materiais, ferramentas e equipamentos para desenvolverem os seus próprios projectos.
O Maker “é um espaço com valências diferenciadas: impressão 3D, recicláveis (papeis e plásticos), pequena robótica, fotografia artesanal, permitindo ao utilizador fazer, criar e mudar.
Para o director da Fábrica do Centro Ciência Viva de Aveiro, aquele espaço “é diferente de um laboratório”, até porque “é mais moderno e junta várias áreas disciplinares.” Na sua opinião, “valoriza o desenvolvimento intelectual, mas fazendo coisas com as mãos.” “Um espaço com futuro que motiva para o futuro”, frisou.
Antes, o presidente da Câmara Municipal, Diogo Mateus, destacou a importância da criação daquele projecto na Biblioteca Municipal, que está a comemorar o seu 21º aniversário. “Um projecto de criação, experimentação, diversão com múltiplas actividades”, considerou.
Para o efeito, a autarquia teve de “criar condições organizacionais” e recrutado novos colaboradores, formando-os para aquela missão específica.
Considerando que “em pleno século XXI deve-se fazer uma reflexão” se faz sentido deixar o formato tradicional das bibliotecas, e avançar para outro “tipo de viagens, experimentações e criação.”
Daí que a autarquia tenha disponibilizado para o Espaço Maker uma área do edifício que, “há 21 anos era inovador com vídeos e jogos e que hoje já não faz sentido.” “Houve uma regeneração do espaço”, disse.
A inauguração daquele novo espaço encerrou o programa de actividades de comemoração do 21º aniversário da Biblioteca Municipal de Pombal, que teve o seu ponto alto entre o dia 16 e 24 de Setembro.
Durante aquele período o equipamento cultural, coordenado por Nelson Pedrosa, promoveu um conjunto de iniciativas, com destaque para a promoção do livro e da leitura. No passado dia 20, o actor Pedro Lamares dinamizou o evento “A poesia é uma arma carregada de futuro”, onde fez uma viagem por diversos autores portugueses, com alguns traços de humor.
Por sua vez, a tarde de domingo, dia 22, foi dedicada aos mais novos com a realização de um pic-nic de leituras e actividades de Brincar de Rua, bem como a apresentação de uma peça de teatro infantil pelo grupo “Os Gatinhos”, de Almagreira.
Na passada segunda-feira, dia 23, foi a vez de o clube de leitura e tuna da Universidade Sénior, bem como de alunos da escola básica do Barrocal, dinamizarem um evento de poesia, “Lembrando Sophia”.
Recorde-se que a Biblioteca Municipal de Pombal está instalada num edifício construído de raiz para o efeito, resultado da parceria entre a Câmara Municipal, o Instituto Português do Livro e das Bibliotecas e a Fundação Calouste Gulbenkian.
A abertura oficial realizou-se a 24 de Setembro de 1998 com uma cerimónia presidida pelo então ministro da Cultura, Manuel Maria Carrilho.

Partilhar
Artigo anteriorProjecto de requalificação do Jardim do Cardal apresentado em sessão pública
Próximo artigoCâmara lança concurso internacional para concessionar Quinta de Sant’Ana
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.