“Aldeia de Natal” da florista Laelia foi eleita a melhor montra de Natal

0
272

Cartão das flores, latas de leite de bebé, frascos de doce, rolos de fitas, papel usado, folhas de magnólia, papel vegetal, pampas, papel das caixas de chocolate, gola de um casaco e outros mais. Foi com esta panóplia de materiais que Lídia Carreira, proprietária da florista Laelia, criou a “Aldeia de Natal” que deu vida à montra da sua loja. A estes juntou uma boa dose de criatividade e, em duas tardes (sem contabilizar os soldadinhos, que precisaram de um dia para cada um deles), concluiu a decoração do espaço. Nesta aldeia não faltavam, por exemplo, uma capela (com sino), casas, soldadinhos de chumbo e algumas árvores, a que a iluminação dava especial brilho, à noite.

Lídia carreira junto à montra que lhe valeu o prémio

O resultado deste trabalho não passou despercebido ao júri do Concurso Eco-Montras 2023, que lhe atribuiu o primeiro lugar e, em resultado disso, uma viagem a Paris para duas pessoas. “Fiquei surpreendida”, contou ao Pombal Jornal, no mesmo dia em que a novidade lhe foi dada pela Associação Comercial e de Serviços de Pombal (ACSP), organizadora da iniciativa, que conta com o apoio da Junta de Freguesia e do Município de Pombal.
Na perspectiva do júri, formado por Horácio Mota (ACSP), Carla Longo (Junta de Freguesia) e Catarina Silva (vereadora), a montra da Laelia juntou harmonia e estética, originalidade e criatividade, sem descurar o recurso a materiais ecológicos e reciclados.
Lídia Carreira é, desde há longa data, uma defensora da utilização deste tipo de materiais. Uma filosofia que coloca em prática desde o tempo em que frequentou a Escola de Arte Floral, onde os alunos eram “motivados a reaproveitar o lixo”. Desde que abriu portas, na Avenida Heróis do Ultramar, há 14 anos, esse tem sido o fio condutor na decoração.
A concorrer pela segunda vez consecutiva à iniciativa da ACSP (no ano de estreia obteve o segundo lugar), a florista encara a distinção como “reconhecimento”, mais importante do que o “prémio em si”. A primeira participação no concurso não estava nos planos, mas a motivação de amigos e conhecidos, que conhecem de perto a criatividade e originalidade que coloca em cada montra, fizeram-na avançar.
Para Lídia Carreira, a iniciativa é factor de “motivação” para os lojistas, ao mesmo tempo que encara esta “concorrência” como “saudável”.
A próxima montra temática será dedicada ao Dia dos Namorados e, uma vez mais, a florista espera surpreender clientes e todos aqueles que passam junto à loja. “Vai ficar muito gira”, diz, com um sorriso rasgado e um brilho nos olhos de quem não consegue esconder a paixão por aquilo que faz.
“Quero mostrar às pessoas que, do nada, podemos fazer coisas bonitas”, ou seja, “dar uma segunda vida aos materiais”, afirma.