Misericórdia da Redinha quer construir lar de idosos

0
1187

A Santa Casa da Misericórdia da Redinha revelou à Directora do Centro Distrital de Leiria da Segurança Social, Maria do Céu Mendes, a sua intenção em avançar com a construção de um lar, para complementar as suas actuais ofertas de Serviço de Apoio Domiciliário e Centro de Dia. O respectivo projecto foi apresentado pessoalmente durante uma visita que aquela responsável realizou à Instituição no passado dia 14.

Mário Sacramento, Provedor daquela Santa Casa, destacou o facto de a Redinha ser a única freguesia do concelho de Pombal que não dispõe de um lar para idosos, pelo que aquele novo equipamento, que deverá albergar entre as 35 e as 45 camas, “é necessária para a freguesia” e também para a região, em especial para o vizinho concelho de Soure.

O futuro lar, que deverá representar um investimento superior a um milhão de euros, será edificado num terreno doado por particulares, na localidade de Figueirinha, a Norte da freguesia. Aliás, aquelas doações vieram ultrapassar uma das dificuldades da Instituição para a concretização daquele objectivo.

Agora, o Provedor não tem dúvidas que a “boa vontade” daqueles beneméritos, irá “arrastar também a boa vontade da comunidade” até porque “a direcção técnica e a mesa administrativa já tem boa vontade” para levar por diante aquele objectivo.

Boa vontade em apoiar aquele investimento social já têm as autarquias locais: Cãmara Municipal de Pombal e Junta de Freguesia da Redinha. Se Catarina Silva, Vereadora da Acção Social, garante que “esgotaremos todas os esforços para que o lar seja uma realidade”, também Carlos Ribeiro, presidente da Junta, considera que “temos todas as condições reunidos para termos um projecto que é uma mais-valia para a freguesia”.

Por sua vez, Maria do Céu Mendes garante, para já, “o apoio técnico incondicional” no decorrer da execução do projecto, a cargo do arquitecto Ricardo Carvalho. Quanto a apoios financeiros, a directora distrital não se quis comprometer, até porque “ainda não conhecemos os regulamentos relativos ao próximo quadro comunitário de apoio”, embore tenha avançado que haverá “verbas significativas para a área social”.

No entanto, aquela responsável sublinha a importância do equipamento e do trabalho desenvolvido por aquela Santa Casa da Misericórdia no apoio aos cidadãos, nomeadamente aos idosos. Um trabalho extensível às restantes instituições particulares de solidariedade social do concelho que, na opinião de Maria do Céu Mendes, são “instituições de excelência” que “tranquiliza todos nós com responsabilidades sociais”.

Orlando Cardoso

(Notícia publicada na edição n.º48, de 22 de Janeiro)