OPINIÃO | A Importância do riso na saúde humana

0
189

Porque não rir? Já pensou que andamos cada vez mais sérios? Caminhamos para uma sociedade cada vez mais preocupada com as injustiças sociais, desemprego, problemas económicos e o stress que nos causam sentimentos e emoções de indignação, pessimismo, ansiedade, depressão, melancolia, medo, tristeza e muitos outros estados que condicionam o nosso bem-estar.
Para combater esses sentimentos negativos temos que ter consciência que a vida é feita de desafios, caminhando positivamente com um sorriso, mantendo o bom humor e libertando gargalhadas diárias que nos trazem inúmeras alterações positivas ao nosso organismo. Então, vejamos:
O ritmo cardíaco acelera, logo vai existir uma maior quantidade de sangue a percorrer o organismo, melhorando a oxigenação das células, tecidos e órgãos. Com este aumento de sangue bombeado pelo coração, os vasos sanguíneos dilatam-se o que leva a uma diminuição da tensão arterial.
A nível pulmonar, durante uma gargalhada, a absorção de oxigénio pelos pulmões aumenta. A inalação de ar é mais intensa e profunda e a expiração é mais forte, por isso, o excesso de dióxido de carbono e vapores residuais é rapidamente eliminado, promovendo uma maior limpeza das vias aéreas. Se for uma prática contínua, irá promover um aumento da capacidade e tonicidade pulmonar.
Quando damos uma gargalhada, os músculos mais trabalhados são os abdominais, sendo que esses movimentos proporcionam uma massagem para todo o sistema gastrointestinal, ajudando desta forma o modo como se processa a digestão bem como todo o trabalho de mobilização e excreção pelo nosso sistema gastrointestinal. É também importante referir que rir, revigora todo o trabalho realizado pelo nosso fígado.
No que diz respeito à parte hormonal e imunológica, durante uma sessão de gargalhadas, os níveis de hormonas que provocam stress diminuem significativamente. Assim sendo, com menos cortisol e adrenalina a circularem no organismo, o sistema imunológico torna-se mais forte. Os leucócitos, células produzidas nos gânglios linfáticos e na medula óssea, aumentam em quantidade e tornam-se mais ativos. Destas células, destacam-se os linfócitos B, responsáveis pela produção de anticorpos, isto é, pela defesa do nosso organismo, e os linfócitos T, que atacam vírus e bactérias. Para além disto, é importante destacar também o imunoglobina A, um anticorpo fundamental no combate às infeções do foro respiratório.
Para além das vantagens anteriores, o riso tem também propriedades analgésicas, pois ajuda na libertação de endorfinas por parte do hipotálamo, sendo estas semelhantes à morfina, no entanto, com a vantagem de serem mais potentes, não terem efeitos secundários e não causarem dependência.
Desta forma, podemos concluir que o riso é o medicamento mais natural que possuímos e só temos de rir para tirarmos todo o seu proveito.
Rir é o melhor remédio!

Referências Bibliográficas:
Buxman, K. (1991). Make room for laughter. American Jounal of Nursing, 91.
José, H. M. (2006). Humor: Que papel na saúde? Uma Revisãp da Literatura . Revista Pensar Enfermagem, 18.
Judith Mccann, L. R. (2003). The effect of mirthful laughter on stress an natural killer cell activity. Alternative therapies, 9.

*Elaborado por Daniela Armasaru e Marco Ferreira, estudantes de Enfermagem