Misericórdia da Redinha cria Unidade de Intervenção e Apoio no Luto

0
564

A Santa Casa da Misericórdia da Redinha pretende implementar o projecto L.U.I.S.A. – Unidade de Intervenção e Apoio no Luto, uma resposta de “intervenção diferenciada no processo de luto, diagnóstico de doença oncológica e/ou tramas, prestado apoio a pessoas e/ou famílias em processo de luto ou com diagnóstico de doença oncológica.”
A iniciativa pretende ainda “capacitar técnicos e pessoas de relevo, através de formação especializada, de modo a alcançar a maior abrangência territorial possível.”
Para o efeito, a instituição apresentou uma candidatura ao Programa de Parcerias para o Impacto, no âmbito do Portugal Inovação Social, para obter um financiamento de cerca de 30 mil euros, correspondente a 30% do valor global do projecto (128 mil euros).
Em reunião do executivo, a Câmara Municipal de Pombal aprovou apoiar a respectiva candidatura, enquanto Investidor Social, num valor a rondar os 25.500 euros, equivalente a 20% do valor global do projecto.
A autarquia considera que “o projecto se insere numa estratégia de valorização social a bem do interesse público da população vulnerável emocional e socialmente”.
Por outro lado, a Câmara refere que o município “aposta em medidas políticas que permitem um acompanhamento psicológico e social às famílias em luto, disponibilizando os seus técnicos em situações emergentes.”
Enaltece, ainda, que tem funcionado desde Novembro do ano passado o Grupo de Entreajuda para Pais e Irmãos em Luto, promovido pela Laços Eternos, reunindo mensalmente, no primeiro sábado de cada mês, na Sala Polivalente da Biblioteca Municipal, e “onde se tem verificado uma crescente procura mesmo de famílias em luto vindas de outros concelhos.”
De acordo com a Misericórdia da Redinha, o projecto “será composto por uma equipa multidisciplinar que terá como objectivo fulcral capacitar, através de formação especializada, os técnicos superiores das comissões sociais de freguesia e/ou outras pessoas de relevo que intervenham directamente com pessoas e/ou famílias em processo de luto ou com diagnóstico de doença oncológica.”
Caso o orçamento afecto ao projecto possibilitar a diversificação da equipa técnica, a instituição pretende integrar outros profissionais como enfermeiro, advogado, fisioterapeuta e contabilista.
“Conscientes das limitações impostas” pela sua localização geográfica, a Misericórdia pretende instalar o projecto, com uma duração de três anos, na cidade de Pombal, “de modo a garantir a abrangência concelhia almejada.”

Partilhar
Artigo anteriorAdministrador da PMUGest debaixo de fogo
Próximo artigoCâmara define área de reabilitação urbana de Poios
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.