Impugnação judicial atrasa plano de defesa da floresta

0
1225

O concelho de Pombal está sem Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios (PMDFCI), desde 2014, devido à impugnação judicial que a Câmara intentou contra o parecer desfavorável do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF). Um processo que se arrasta há cerca de dois no Tribunal Administrativo e Fiscal de Leiria.
Contudo, o presidente da autarquia, Diogo Mateus, garante que a falta de um PMDFCI actualizado – o último é de 2009 – não impede que o município execute as várias actividades e acções, no âmbito da sua estratégia de prevenção da floresta contra incêndios.
Ao nosso jornal, o edil esclareceu que as divergências prendem-se com a interpretação jurídica do parecer do vice-presidente do ICNF, que não permitiu a aprovação da nova versão do PMDFCI, nomeadamente no que se refere às “normas de utilização do espaço florestal”. “Uma radicalidade que só nos leva à desertificação e despovoamento e que eu acho que não será uma coisa boa para ninguém”, frisa.
O autarca acrescenta: “entendi que os fundamentos jurídicos apresentados no parecer desfavorável vinculativo do ICNF eram fracos e dei instruções ao Gabinete Jurídico da Câmara para accionar judicialmente o INCF para questionar em que termos é que essa decisão foi tomada”, nomeadamente, “se é do Direito e se tem força de lei”.
Diogo Mateus informou, ainda, que a nova versão do PMDFCI foi aprovada pela Comissão Municipal de Defesa da Floresta, onde para além do presidente da Câmara esteve presente a Vereadora com o Pelouro das Florestas, o então Comandante Operacional Municipal, o Coordenador do Gabinete Técnico Florestal, e os representantes da Divisão de Urbanismo, da Associação de Produtores Florestais, dos Bombeiros Voluntários de Pombal, da Guarda Nacional Republicana, do Grupo de Intervenção e Protecção de Socorro, da Polícia de Segurança Pública e da Assembleia Municipal, assim como o representante do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, o único que não votou favoravelmente.

Partilhar
Artigo anteriorAmbiente elabora projecto contra as cheias
Próximo artigoMinistério responde em relação ao Externato Liceal
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.