Casa Varela com novas exposições de pintura e fotografia

0
471

A Casa Varela – Centro de Experimentação Artística inaugurou, esta quinta-feira, “A Força da Luz”: três exposições de pintura e fotografia que estarão patentes ao público até 28 de Julho. Em três pisos distintos, o público poderá conhecer a instalação de Media Art “ASYNCHRONOUS”, de Diogo Mendes; a pintura de Paulo Damião na exposição “O Lugar onde se é esperado”; e a técnica fotográfica de Telmo Mendes em “Magiae Naturalis”.
“As exposições podem ser visitadas às quintas e sextas-feiras, das 16h00 às 21h00, e aos sábados e domingos, das 10h00 às 13h00.


Numa existência onde a percepção é assíncrona da realidade, Diogo Mendes compromete-se a desafiar o seu próprio espaço, multiplicando-o e transformando-o. Compreendendo que esse espaço está directamente representado pelo isolamento e solidão, a obra pretende desafiar esse conceito e desconstruí-lo. A ampliação do que podemos ser nós, como indivíduos, para algo bem mais abrangente, como a conexão com o próximo e com a comunidade. Esta será a tentativa de personificação destes conceitos: do isolamento que tanto nos condiciona, como nos faz crescer; aquele que só poderá ser representado quando, no momento da performance, o dispositivo artístico se fizer rodear pela multidão.
Já a “Magiae Naturalis”, de Telmo Mendes, é uma instalação “site specific” constituída por várias câmaras obscuras e nasce da intenção de criar uma relação entre o espaço exterior, Pombal, e o espaço interior da Casa Varela.
Obscurecendo a sala e permitindo a entrada de luz por pequenos orifícios localizados nas janelas da Casa, o exterior das ruas de Pombal entra como projecções luminosas, criando uma simbiose entre exterior e interior. A entrada da energia luminosa, os fotões que se espalham e que preenchem o espaço interior da sala obscurecida são controlados por vários factores tais como o tamanho do orifício, lentes ou um prisma que provoca a inversão de imagem.
“Magiae Naturalis” cria assim um conjunto de postais vivos de Pombal, um presente contínuo, no qual a luz natural, as mudanças climatéricas e o movimento urbano ao longo do dia alteram a visualização das imagens projetadas.