RTP faz “visita guiada” ao Convento do Louriçal

0
173

O Convento e Igreja do Desagravo do Santíssimo Sacramento do Louriçal esteve em destaque, na passada segunda-feira, dia 6, no programa “Visita Guiada” na RTP2. A apresentadora Paula Moura Pinheiro esteve à conversa com a Irmã Maria de Fátima e pelo historiador Nelson Pedrosa.


“Para lá da beleza objectiva daquele complexo religioso de finais do séc. XVII, ele vale por ter sido, ao longo dos últimos dois séculos, cenário da extraordinária capacidade de resistência da comunidade de Irmãs Clarissas que desde o início o habitaram”, refere a sinopse do programa, acrescentando que “em 1810, a terceira invasão francesa obriga as Clarissas do Louriçal a sair do convento; em 1834, o decreto da extinção das ordens religiosas obriga as religiosas, durante décadas, as estratégias semi-clandestinas para manterem a comunidade e o seu convento; em 1910, na sequência da implantação da República, as Irmãs do Desagravo do Louriçal foram expulsas e expropriadas do convento.”
“Forçadas ao exílio durante 18 anos, as Clarissas do Louriçal conseguiram comprar o seu convento em 1927, quando foi a vender em hasta pública. Uma vez comprado o que sempre lhes pertencera, a comunidade regressou a casa em 1928”, explica, adiantando que “as atribulações por que passou a comunidade de religiosas do convento do Louriçal a partir do início do séc. XIX são paradigmáticas do que sofreram as Ordens Religiosas em Portugal nos séculos XIX e XX. Este é um caso excepcional de resiliência.”

*Notícia publicada na edição impressa de 9 de Maio

Partilhar
Artigo anteriorRastreios ao cancro da pele
Próximo artigoGuilherme Gomes: “Quero ser campeão do Mundo”
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.