RENDALÍSSIMA | Como saber se tem um ar barato

0
2615

Comecemos por explicar o que é um “ar barato”: no Brasil chamam-lhe brega, por cá usamos expressões menos simpáticas. Na verdade, todos conhecemos alguém assim, que não importa quanto gaste no seu guarda-roupa, apresenta-se sempre com um aspecto vulgar, vá.

Não interessa se investem em marcas luxuosas ou se passam horas no ginásio, no cabeleireiro e na manicure, o resultado final nunca é sofisticado. Hoje partilho convosco alguns truques para contornar o aspecto “barato” mas sublinho que não serve de nada usar um vestido ultra sexy se estiver com o cabelo oleoso e os dentes amarelos, portanto o melhor é começar pelo início de tudo: a higiene e a saúde.

Cabelos
Invista na saúde do couro cabeludo, em produtos adequados para o seu tipo de cabelo e num bom corte

1. Curto ou longo, mais clássico ou super arrojado, com uma coloração idêntica ao tom natural ou mais divertida, o cabelo só fica bonito se estiver bem tratado. Fuja do efeito frizz com tanto medo como dos cabelos moldados ao melhor estilo boneca de porcelana. Invista na saúde do couro cabeludo, em produtos adequados para o seu tipo de cabelo e num bom corte.
Antes de arriscar nas tendências do momento, pondere se são uma possibilidade dentro do seu orçamento (não vale a pena arriscar naquele azul se depois não tiver carteira para suportar os gastos decorrentes). Uma relação de confiança com um profissional faz milagres!

2. Sendo o seu cartão de visita vitalício, o seu rosto merece ser bem cuidado. Uma pele saudável e matificada é essencial para um bom aspecto, por isso aposte na inclusão de uma rotina diária na sua higiene pessoal. Cuidar da pele é tão importante como lavar os dentes, pelo que não se justifica ir para a cama maquilhada. Faça uma lista de tudo o que é incómodo e procure tratamentos específicos: manchas, poros dilatados, acne… tudo tem solução.

Maquilhagem
Para o dia-a-dia, modere o uso de maquilhagem

3. Para o dia-a-dia, modere o uso de maquilhagem. Deixe as sombras berrantes para momentos especiais ou para os editoriais das revistas de moda e limite-se a realçar o melhor de si. Se lhe apetecer usar uma cor forte nos lábios, deixe os olhos mais discretos. Se pretender destacar o olhar, prefira os tons mais suaves para a boca. Os looks festivos não são apropriados para o ambiente profissional.

4. Mais uma vez, o equilíbrio fará maravilhas: escolha uma parte do corpo para revelar. Se as pernas tiverem destaque no outfit, não dê também protagonismo ao decote e vice-versa. Não faça com que queiram adicionar-lhe #adartudo na legenda.

Peças de roupa
No dia-a-dia, evite roupas demasiado justas, reveladoras, com transparências ou brilhos

5. No dia-a-dia, evite roupas demasiado justas, reveladoras, com transparências ou brilhos. É uma questão básica de educação vestir-se de forma adequada ao contexto. Se não usa roupas de festa em ambientes fúnebres, porque se vestiria para trabalhar como se fosse dançar em cima da coluna da discoteca?

6. Tenha atenção aos acabamentos das peças que adquire. Cortes que não assentam bem na sua figura são desnecessários, tal como bainhas mal feitas ou costuras tortas. Para não parecer desleixada, tire do armário o que estiver descosido, rasgado e sem cor.

Roupas para o seu tamanho
Use roupas para o seu tamanho – nem demasiado largas, nem demasiado apertadas

7. Use roupas para o seu tamanho – nem demasiado largas, nem demasiado apertadas. As peças que não forem adequadas à sua figura não só não favorecerão a sua silhueta como também serão desconfortáveis. O objectivo é que o tecido acompanhe as suas formas naturais sem as comprimir ou ocultar totalmente.

8. Não use acessórios que façam barulho quando se movimenta.

Lingerie
Assegure-se de que a lingerie não se nota sob a roupa

9. Assegure-se de que a lingerie não se nota sob a roupa. Não devem ser visíveis vincos nas ancas nem nas nádegas e não se deve reparar no soutien a dividir a mama em dois ou a espreitar ansiosamente por entre os botões da camisa. Se o objectivo for revelar a lingerie conforme a tendência que colocou os bralettes na ribalta, então faça-o com classe e tenha a certeza de que o ambiente em que trabalha o permite.

10. Less is more – nos acessórios, nos padrões e nos brilhos durante o dia. Opte entre brincos grandes ou colar, entre várias pulseiras ou mais anéis.

Sapatos
Com um bom par de sapatos, de qualidade e confortável, até de calças de ganga e t-shirt branca terá um look polido

11. Com a quantidade de oferta disponível um pouco por todo o lado, com tantos designs que aliam a elegância ao conforto, não se justifica que ainda se vejam plataformas pesadas e que pouco fazem pela silhueta de quem as calça.
Esqueça os saltos imensamente altos para o dia-a-dia, que já toda a gente se habituou à ideia de que a calçada portuguesa não permite grandes excentricidades. Com um bom par de sapatos, de qualidade e confortável, até de calças de ganga e t-shirt branca terá um look polido.

12. Leggings não são calças. Não servem para usar no trabalho. Não.

Unhas
Nas unhas, deixem de usar, de uma vez por todas, aquelas coisas exponencialmente mais espessas que as unhas de qualquer ser humano

13. Mais uma vez, o orçamento é tudo. Pondere se vai conseguir suportar os custos de manutenção das unhas, pestanas e do cabelo.
Nas unhas, deixem de usar, de uma vez por todas, aquelas coisas exponencialmente mais espessas que as unhas de qualquer ser humano, em formatos a fazer lembrar o Eduardo Mãos de Tesoura e que impossibilitam o envio de mensagens escritas. Também não são aceitáveis as French Manicure em forma de pá, mais largas nas pontas que na base.
Quanto às pestanas, ninguém quer ter aranhas nas pálpebras, portanto exige-se alguma contenção para um efeito natural e harmonioso.
No que diz respeito ao cabelo, o objectivo não é que toda a gente note que tem extensões, pelo que importa recorrer a bons profissionais que (mesmo que usem as já datadas com aplicação com queratina) as saibam colocar e garantam um bom corte que permita que elas se mesclem com as suas madeixas.

Partilhar
Artigo anterior(N)A ESCOLA DA VIDA | N(o) mundo (s)em letras
Próximo artigoHAPPY HOUR | A misteriosa beleza interior
Depois de se dedicar ao Jornalismo, decidiu aprofundar os seus conhecimentos numa vertente menos explorada ao longo da sua formação académica, a comunicação não-verbal. Após uma especialização em Lisboa em Consultoria de Imagem, lançou-se a título pessoal na área da Moda e assume-se em 2018 como a primeira Fashion Therapist do país. Já foi contratada pelo grupo Sonae para realizar serviços de Personal Shopping aos seus clientes, marca presença na Vogue Fashion's Night Out, trabalhou no grupo Creative Concept como responsável pela gestão dos cursos leccionados e pelo departamento de Comunicação da Creative Academy e exerce funções enquanto Social Media Manager de eventos de Moda. Trabalha de perto com grandes marcas de luxo internacionais sediadas na Avenida da Liberdade e com designers portugueses vocacionados para noivas. Em Pombal tem uma parceria com a Quinta da Concha porque apesar de se mover na capital, tem especial gosto pelo trabalho com clientes da zona centro. Contactos: anarendalltomaz@gmail.com || https://www.anarendalltomaz.com/