Covid-19| Duas das mulheres infectadas estão a evoluir favoravelmente

0
3579

O quadro clínico de duas das mulheres da freguesia de Pombal infectadas com Covid-19 está a evoluir favoravelmente, segundo avançou ao nosso jornal uma das familiares, ao final da tarde desta segunda-feira. Em resultado desta confirmação, há 15 pessoas, todas familiares das doentes, que se encontram de quarentena. Até à data, nenhum delas apresentou quaisquer sintomas.

As duas mulheres infectadas são mãe e filha, de 77 e 54 anos, respectivamente, e encontram-se estáveis e a reagir de forma positiva. A mais nova está a recuperar em casa, confinada a uma divisão, para evitar contacto físico com o marido e os filhos, cumprindo as regras de reclusão total exigidas neste contexto. Por seu turno, a mais velha das duas doentes está internada no Hospital de Santo André (HSA), em Leiria, onde deu entrada na terça-feira, dia 17, por outros motivos de saúde, associados a um histórico de patologias já antigas. A doente, que sofre de arritmia cardíaca e dificuldades respiratórias, acabaria por ser encaminhada para aquela unidade de saúde, já depois de se ter dirigido ao Centro de Saúde de Pombal, onde foi observada pela médica de família, com quem contactou previamente, ao telefone, para descrever a sintomatologia apresentada desde sábado, dia 15, e sem sinais de melhoras: tosse, febre, dificuldades respiratórias, tensão baixa e arritmia cardíaca.
Na ocasião, a médica solicitou a realização de um raio-x, cujo resultado indicou “infecção pulmonar bilateral nos dois pulmões”, conta a filha mais nova da doente, com quem falámos ao telefone. Um diagnóstico que obrigou ao internamento da idosa no HSA, nesse mesmo dia. Ainda que até àquela data a sintomatologia apresentada tenha sido associada à infecção, na quarta-feira, um dia depois de ter dado entrada naquela unidade hospitaar, é-lhe realizado exame à Covid-19. A indicação de positivo chegou no dia seguinte, o que implicou a transferência para a ala do hospital dedicada apenas a casos do novo coronavírus.
A família foi contactada de imediato pelas autoridades de saúde, no sentido de perceber o histórico de movimentações e contactos da doente, nos últimos dias. É nessa altura, e perante a descrição apresentada, que é solicitada a uma das filhas da doente que se desloque, na sexta-feira, ao HSA para realizar exames, uma vez que apresentava tosse seca há vários dias e tinha sido ela quem acompanhou a mãe ao Centro Hospitalar de Coimbra, no dia 4 de Março, para uma consulta de neurocirurgia. O resultado veio positivo, no dia seguinte.
Questionada sobre a origem do contágio, a filha e irmã das duas doentes limita-se a relatar a explicação dada pelas autoridades de saúde: há uma forte possibilidade para que tenha sido no hospital de Coimbra, quando ambas ali se deslocaram para a referida consulta.
A doente que se encontra resguardada em casa, bem como o grupo de familiares em regime de quarentena, têm sido acompanhados diariamente, através de contacto telefónico, por profissionais da Unidade de Saúde Pública de Pombal, para recolha de informações sobre o estado de saúde de cada um deles, revela a mesma fonte. Apesar de até à data não terem surgido sintomas, a familiar com quem contactámos adiantou que a sobrinha, filha da doente infectada, e que acompanhou a mãe ao hospital de Leiria, também já fez teste de despistagem e encontra-se a aguardar resultado.
Questionada sobre o quadro clínico das duas doentes, a mesma fonte adiantou que, para já, o único sintoma da irmã tem sido apenas tosse. “Não tem febre e está bem-disposta”, refere. Relativamente à mãe, a indicação que lhe tem sido dada, ao telefone, é que infecção bacteriana está a regredir, “o que significa que a Covid-19 não lhe agravou o problema”, salienta a filha mais nova da idosa. “Se ela continuar a evoluir favoravelmente, será transferida para outra unidade do hospital ou virá para casa”, adianta, sobre as informações dadas pelos profissionais de saúde.
A irmã e filha das duas doentes, cuja identidade resguardamos por uma questão de privacidade e com o intuito de evitar alarmismo, aproveita para agradecer, em nome de toda a família, aos profissionais do hospital de Leiria e da Unidade de Saúde Pública de Pombal, bem como ao delegado de saúde de Pombal “por toda a dedicação e apoio que nos têm dado”.
É preciso respeitar as normas, isto é, não sair de casa e evitar os contactos”, deixa, em jeito de apelo à população, uma vez que os sintomas podem não surgir de imediato, como foi o caso da mãe.
Enquanto a quarentena não passa, a família, residente numa aldeia da freguesia de Pombal, conta com a colaboração de amigos e vizinhos. Os bens essenciais têm sido deixados à porta de casa, como é o caso dos produtos de mercearia, o peixe fresco e o pão, sem contacto com aqueles que fazem a entrega.

Mais uma morte no concelho
O concelho de Pombal regista, entretanto, mais uma morte por Covid-19. Trata-se de uma utente do Lar da Cumieira, de 76 anos, que faleceu este domingo, dia 22, tal como adiantou o delegado de saúde de Pombal ao Região de Leiria. A mulher, portadora da doença de Alzheimer, foi transportada para o Hospital de Pombal já sem vida, tendo sido feito ali o teste.
Ao Região de Leiria, José Ruivo referiu estar a desenvolver esforços no sentido de identificar as pessoas que poderão ter estado em contacto com a senhora, para além dos 26 utentes do lar e dos 14 profissionais que trabalham na instituição. A alguns destes contactos serão realizados testes de despistagem com a colaboração do Município.
A este caso soma-se também o de uma jovem, de 24 anos, que regressou no domingo da Holanda onde estava a estudar no âmbito do programa Erasmus, e que está a recuperar em casa, revelou o delegado de saúde ao mesmo jornal.