CDS quer ‘Bracejo da Ilha” candidato às 7 Maravilhas de Portugal

0
199

O CDS de Pombal quer a arte do Bracejo da Ilha candidata às 7 Maravilhas da Cultura Popular de Portugal, na categoria de artesanato. A proposta foi feita por Dino Freitas, membro da Assembleia de Freguesia da União de Freguesias de Guia, Ilha e Mata Mourisca, e aprovada por unanimidade.


“Considerada um ex-líbris da Ilha e possuidora de um grande conteúdo histórico, a arte do bracejo tem na freguesia uma marca diferenciadora e por essa razão, o CDS considera que a mesma deve ser divulgada e promovida”, refere a concelhia do partido através de uma nota de imprensa.
Para os centristas, “só dessa forma será possível ganhar reconhecimento público e funcionar como alavanca promocional da região, associando a Ilha aos já existentes eventos de reconhecido mérito, como é o caso do festival Ti Milha”.
O CDS lembra que as candidaturas ao projecto já se encontram abertas, terminando a 1 de Março de 2020, “tempo mais que suficiente para que o município estruture uma candidatura que possa ser, pela sua elevada qualidade, vencedora de reconhecimento”.
Refira-se que o artesanato em bracejo é um dos ex-líbris da localidade da Ilha, e de toda a região Oeste do concelho de Pombal. Ali vivem as últimas herdeiras da arte do saber fazer objectos em bracejo, em arte genuína, cumprindo uma tradição de tempos remotos.
O bracejo (stipa gigantea) é a principal matéria prima usada na Cooperativa Cestinhos da Ilha, a base de uma interessante produção, que abrange uma diversidade de objectos construídos mediante a técnica do entrançado, a que se associam as esperais cosidas nas largas e irradiantes tranças de bom efeito decorativo, através de um cordão de junça.
Objectos originais e admiráveis, executados segundo a arte de manuseamento, sempre apoiadas numa utensilagem rudimentar.
Depois do capacho, do cofo e da alcofa de duas asas, a Cooperativa Cestinhos da Ilha desenvolve actualmente uma importante acção de revitalização de artefactos de bracejo. Uma arte de (sobre)viver em pleno contacto com a natureza, aproveitando e transformando o que ela, de forma espontânea oferece.

Partilhar
Artigo anteriorRENDALÍSSIMA | 12 truques para um ano brilhante
Próximo artigoCotrim Figueiredo eleito líder do Iniciativa Liberal em Pombal
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.