Alitém vai ser o centro da gastronomia

0
641

A Mostra Gastronómica da Região Alitém realiza-se pela 15ª vez, já a partir desta sexta-feira. Mantendo o figurino, nesta edição a aposta vai para a maior divulgação da iniciativa, procurando dar-se a conhecer a outros públicos e atrair mais visitantes.

ANA DE JESUS (texto e foto)

São três dias de gastronomia, animação e produtos locais e regionais, que Albergaria dos Doze vai receber, de 21 a 23 de Agosto, em mais uma mostra gastronómica da agora União de Freguesias de Santiago e São Simão de Litém e Albergaria dos Doze (UFSSA). Segundo Manuel Henriques, presidente da Junta de Freguesia, os moldes em que o evento se realiza são para manter “pois é um figurino que tem vindo a ser experimentado e que tem dado bons resultados”, apesar de se procurar apresentar algumas melhorias. “A preocupação da organização deste evento é ampliar as condições, ter mais qualidade no programa e levar a que haja mais expositores e mais público”, afirmou, dando conta que o investimento será superior a 15 mil euros.

“Estamos a investir mais financeiramente para tentar perceber se há retorno”, assumindo que “este vai ser um ano em que vamos perceber se há avanço neste evento”. Uma das estratégias para que haja mais visitantes passa por dar a conhecer a iniciativa e divulgá-la além-fronteiras, com uma acção publicitária reforçada. “A nossa campanha em termos de divulgação é muito mais abrangente do que nos anos anteriores”, afiança Manuel Henriques.

O retorno esperado por parte da junta é precisamente uma forte adesão ao evento, a divulgação da gastronomia desta região, e “dar uma oportunidade às associações, sendo elas parte integrante deste evento, de criarem também alguns recursos para as actividades que desenvolvem durante o ano”.

Junta assume totalidade dos custos

Não obstante esperar algum apoio por parte da Câmara Municipal de Pombal, é a Junta de Freguesia que vai suportar os mais de 15 mil euros de investimento esperado nesta mostra gastronómica. “As empresas também atravessam algumas dificuldades e nós achámos que nesta altura não devíamos estar a onerar mais essas empresas”, foi a justificação dada por Manuel Henriques para esta opção da autarquia em não chamar as empresas a comparticipar os custos da iniciativa, acrescentando que estas, neste período “são massacradas constantemente com pedidos para participar nos diversos festejos que se realizam um pouco por toda a União de Freguesias”.

Mais pormenores na edição de 20 de Agosto