Proprietário vai ter de demolir imóvel que sofreu derrocada

0
477


A Câmara de Pombal vai notificar o proprietário de um imóvel, na Rua Mancha Pé, no centro da cidade, para proceder à sua demolição total, depois de o mesmo ter sido alvo de uma vistoria técnica. A autarquia considera que a demolição do edifício já está prevista num processo de licenciamento de obras de reabilitação e ampliação que já deu entrada nos serviços municipais.
De acordo com a respectiva comissão de vistoria, o edifício “já se encontra parcialmente demolido, na sequência da derrocada do primeiro andar, mantendo apenas a fachada do rés-do-chão confinante com via pública, as restantes paredes laterais e interiores ao nível do piso do rés-do-chão, bem como o entulho resultante da derrocada e demolição.”
Por outro lado, os técnicos referem que o edifício “não é acessível aos transeuntes, dado que os vãos exteriores se encontram entaipados”. “A construção actualmente existente, embora não apresente perigo de nova derrocada, apresenta algum perigo de segurança, dado que ainda mantém elementos de construção que poderão desprender-se e cair na via pública”, frisam.
Por outro lado, a autarquia irá notificar o proprietário de um outro edifício, na Rua Dr. António Jorge Ferreira, também na cidade de Pombal, para no prazo de 30 dias requerer o pedido de renovação da licença para conclusão da obra, uma vez que os trabalhos de ampliação de alteração, apesar de estarem em “avançado estado de execução”, não foram concluídos no âmbito da licença emitida anteriormente, e já caducada em Fevereiro de 2008.
Por sua vez, a Câmara Municipal irá conceder um prazo de 180 dias para que o proprietário de um imóvel, localizado junto ao Itinerário Complementar 2 (EN1/IC2), na localidade da Arroteia, na freguesia da Redinha, proceda à sua demolição e remoção do entulho.
“O edifício apresenta-se em muito mau estado de conservação, cobertura com elevada deformação e colapso parcial, envelhecimento generalizado de todos os revestimentos e destacamento”, refere a comissão técnica de vistorias, realçando que “as anomalias observadas, para além de indiciarem risco de desabamento e colocarem em risco a segurança das pessoas e o elevado estado de degradação do edifício, contribuí para uma imagem desqualificadora do local onde se insere.”

*Notícia publicada na edição impressa de 29 de Agosto

Partilhar
Artigo anteriorTerras de Sicó tem um milhão de euros para pequenos investimentos
Próximo artigoBioArtes volta a promover “cultura, tradição e ecologia”
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.