Missão humanitária parte de Pombal rumo à Guiné

0
1617

Se tudo correr conforme o previsto, é já no próximo dia 23 de Abril que partem de Pombal as 30 viaturas que hão-de integrar a caravana da quinta missão humanitária “Trilhos de uma África Negra – Guiné 2020”. Pela frente, os 70 voluntários têm oito dias de viagem, por estrada, em condições muitas vezes adversas, num total de 5000km, regressando depois a Portugal de avião. Para além daquelas viaturas, a organização espera entregar, às Organizações Não Governamentais (ONG) que se encontram no terreno, os bens que, até lá, serão doados por empresas e particulares, alguns deles angariados através dos eventos dinamizados por equipas existentes em diversas zonas.

Na bagagem, levam “material hospitalar, material escolar, sementes agrícolas e, de preferência, muito leite em pó”, explica Nuno Rebocho, presidente da Associação de Serviço e Socorro Voluntário (ASSV) de S. Jorge, a Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), sediada no concelho de Porto de Mós, que coordena e dá todo o suporte legal a esta operação, de âmbito nacional, com o apoio do Grupo Acção Social (GAP).
Ainda que a entrega de viaturas e a assistência às populações sejam parte fundamental da missão, a estratégia definida para esta quinta incursão por terras guineenses inclui objectivos mais alargados, designadamente o apoio ao desenvolvimento da agricultura do país, ajudando à criação de novos pólos de produção agrícola e desenvolvimento dos existentes e, por outro lado, a sensibilização da comunidade internacional para a realidade de um dos países mais pobres do mundo.
“Nesta fase, estamos na preparação das viaturas, que nos foram doadas ou adquiridas pelas pessoas que vão participar na própria missão, de maneira a que possamos ter a certeza que elas vão conseguir aguentar a dureza do percurso”, explica Nuno Rebocho que, neste campo, aproveita para fazer referência ao importante papel da Joaquim Gameiro, Lda.. A empresa de Albergaria dos Doze associa-se, uma vez mais, ao projecto humanitário, através da preparação das viaturas que integram a missão, todas elas de “mecânica simples”, mas que “têm de estar preparadas para chegar à Guiné”, através de percursos difíceis. O dirigente esclarece, ainda, que aqueles que queriam participar na missão podem fazê-lo não só com doações, mas também através da participação “na própria missão”. A organização tem as candidaturas abertas e, caso os interessados reúnam as condições, poderão vir a integrar a coluna humanitária.

Empresa de Albergaria solidária

Desde 2014 que a Joaquim Gameiro, Lda. tem o seu nome ligado ao projecto. Para os “Trilhos de uma África Negra – Guiné 2020”, a empresa volta a dar o seu contributo para que as viaturas cheguem nas melhores condições ao destino, com a particularidade de serem de mecânica simples e com pouca electrónica, para mais facilmente poderem ser mantidas em funcionamento. “Não é conveniente levar viaturas muito recentes, porque a nova tecnologia choca depois lá com o combustível e com o conhecimento”, explica o sócio-gerente da empresa de comércio de automóveis e representante oficial da marca Renault, Hélder Costa. Aquele responsável revela, ainda, diz que nas instalações da empresa estão a ser preparadas duas viaturas oferecidas pela Câmara Municipal de Pombal, que estiveram ao serviço dos Bombeiros Voluntários de Pombal, outra oferecida pela Joaquim Gameiro, Lda. e uma quarta oferecida pelas Construções Gameiro. No campo dos apoios para esta causa, o empresário destaca também a participação da Create, que integra a rede de oficinas Auto Check Center.

 

Financiamento

O financiamento da missão humanitária é suportado pelos participantes na mesma, assim como por pessoas e organizações que pagam todos os seus custos e ainda contribuem com as viaturas, materiais e donativos.
Atendendo a que os custos são suportados pelos próprios participantes na missão, os donativos são entregues, na totalidade, nas comunidades de destino, em mãos, por todos os membros da comitiva. Todos os contributos financeiros recebem um recibo dedutível de 130% da matéria colectável, passado pela IPSS de São Jorge (Porto de Mós).

OBJECTIVOS

De acordo com a Associação Serviço e Socorro Voluntário de São Jorge, são objectivos desta missão de 2020:
– Levar o maior número possível de viaturas para oferecer a organizações não governamentais que trabalham na Guiné-Bissau.
– Sensibilizar a comunidade internacional para a realidade de um dos países mais pobres do mundo.
– Assistência às populações, quer na área do ensino quer na área da saúde, com material hospitalar e leite em pó.
– Apoio ao desenvolvimento da agricultura no país, ajudando à criação de novos pólos de produção agrícola e desenvolvimento dos existentes.

No próximo dia 28, sexta-feira, terá lugar, na Escola Secundária de Pombal, um Jantar Solidário a favor da Missão Humanitária – Guiné 2020, organizado pelas quatro equipas do concelho que integram a missão.
Da ementa fazem parte creme de legumes, lombo de porco no forno/bacalhau no forno, sobremesas variadas, bebida e café. A participação tem um custo de 10 euros, para crianças dos seis aos 12 anos, e de 15 euros para maiores de 12 anos. As inscrições podem ser feitas junto de Liliana Ferreira (914983762), Isabel Vicente (912627341), Susana Calvario (966577328) ou por e-mail: missaoguine2020.pombal@gmail.com. Para esse dia, é também pedido aos participantes que tragam o seu donativo: leite em pó, sementes agrícolas, material hospitalar, material escolar, produtos de higiene pessoal e oral e/ou roupa interior e de criança.