Faleceu o padre Manuel Caetano, antigo pároco da Redinha

0
6869
Padre Manuel Caetano esteve 30 anos ao serviço da paróquia da Redinha
O padre Manuel Caetano presidiu à paróquia da Redinha durante trinta anos

Faleceu, aos 91 anos de idade, o padre Manuel Caetano, que durante vários anos foi pároco da Redinha, no concelho de Pombal. Desde há alguns anos que residida na cidade de Pombal.
Natural do Mogadouro, na freguesia de Santiago da Guarda (Ansião), Manuel Caetano foi ordenado sacerdote em 1949, aos 25 anos de idade. No entanto, foi na freguesia da Redinha que o padre passou grande parte da sua vida. Não só como pároco, mas também como docente em alguns estabelecimentos de ensino da região.
“Após trinta anos de permanência ininterrupta na freguesia da Redinha, e depois de conhecer a sua longa história, pareceu-me, pelo menos útil, dizer algo do passado para os presentes e vindouros, e do presente para estes últimos”, escreveu em 1983 aquando da apresentação do livro “Redinha e Arredores”, da sua autoria.
Também em finais da década de 80 do ano passado, o padre Manuel Caetano juntou-se aos pombalenses Manuel Jorge da Ponte (empresário da construção civil) e Américo de Jesus Carvalho (professor de Educação Física) para fundar o Colégio Cidade Roda, instalado na mesma freguesia da Redinha.
Segundo o pároco de Pombal, padre João Paulo Vaz, o corpo do padre Manuel Caetano “será velado, por sua vontade, na sua residência e estará, amanhã [dia 31], a partir das 15 horas na Igreja do Cardal, onde celebraremos as suas exéquias, às 16 horas”. “Depois, seguirá para a Capela do Mogadouro (Santiago da Guarda) onde será feita a Última Encomendação, sendo sepultado no cemitério da mesma povoação”, adianta o pároco.

Partilhar
Artigo anteriorNa Patagônia caminhando pelo gelo
Próximo artigoSemana da Saúde: esclarecer e sensibilizar para hábitos de vida saudáveis
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.