EXAME FINAL | De 0 a 20

0
182

Nota de pesar: Partiu prematura e inesperadamente o Presidente da Junta de Freguesia de Vermoil, o nosso amigo Carlos. Muito ainda tinha para dar à vida e a vida a ele. Muito ainda tinha para dar à sua família e amigos, a Vermoil e à sociedade. Deixou um legado de trabalho, generosidade e dedicação à causa pública que se perpetuará no tempo. Fez o bem e é assim que será recordado. Obrigado Carlos e até um dia!

Nota 2 – Joacine: As últimas eleições legislativas trouxeram consigo uma alteração substancial à realidade parlamentar e política no nosso país. A última novela encetada pelo Livre e a sua única (ex-)deputada provam que este partido ainda tem ao leme algumas pessoas com bom senso que naturalmente não se podiam rever na deputada que elegeram. Portugal é um país de brandos costumes, tolerante, acolhedor para quem chega de fora e onde os problemas de racismo e/ou xenofobia são residuais e circunscritos. O discurso desta senhora, que faz da sua cor, do seu género e da sua gaguez bandeiras políticas, serve unicamente para instigar ao ódio, à guetização e ao divisionismo. A Joacine não quer combater o racismo, quer sim provocá-lo para que se possa alimentar do mesmo e aumentar a sua base de discípulos, com vista à sua sobrevivência política. Uma senhora deputada que diz “eu nasci para estar ali” referindo-se ao lugar no parlamento, revela em primeiro lugar o que pensa, e revela um autoritarismo, uma arrogância e uma cegueira pelo poder que a tornam uma pequena ditadora, igual a qualquer um dos que tivemos ao longo da história, fossem eles de direita ou esquerda. Porque, para mim, os antidemocratas não têm lado.

Nota 7- Um aeroporto por freguesia, sff: Já não há paciência para a desejada abertura da base aérea de Monte Real à aviação civil. O governo continua a tratar toda a gente como idiota útil, não diz que não à abertura, mas alimenta esta guerra de galos, onde todos querem um aeroporto. Coimbra lembrou-se que também podia acolher um aeroporto, Leiria continua a insistir na sua antiga bandeira, e enquanto isto o governo continua a assobiar para o lado e a dividir para reinar. Tudo para entreter e protelar.

Nota 10 – Nova liderança do CDS: O CDS decidiu arrojar (e isso é bom) ao eleger um jovem (e isso é melhor ainda) para seu presidente, dando um claro sinal de renovação, o que deve fazer pensar os outros partidos. Mas dou nota 10 a este acontecimento, porque parece-me que a liderança de Francisco Rodrigues dos Santos não terá meio termo, ou seja, tem tudo para correr muito bem ou tem tudo para correr muito mal. A juventude, a boa imagem, o efeito surpresa e a inovação que traz consigo podem ser bons ingredientes para a sua estratégia e para o sucesso da sua liderança. Mas, por outro lado, há decisões difíceis de tomar… Se o Francisco quiser honrar a sua palavra e seguir a linha conservadora com que se vendeu todos estes anos, afunilará o CDS no eleitorado democrata cristão puro e duro, eleitorado esse que não sei se chegará à meia dezena percentual. Por outro lado, se quiser adotar um estilo mais populista, como também já ensaiou, verá esse espaço ocupado por André Ventura, que nesse campo me parece mais eficaz. Assim, ou o Francisco adapta o discurso, eliminado a sua história, ou terá muitas dificuldades em singrar.

João Antunes dos Santos, Advogado, Deputado Municipal PSD e Presidente JSD Distrital Leiria | joao@antunesdossantos.pt

*Artigo de opinião publicado na edição impressa de 06 de Fevereiro