Centro Escolar de Pelariga vai custar mais 95 mil euros

0
971
Maqueta do futuro centro escolar da Pelariga

As obras de construção do Centro Escolar de Pelariga vão custar mais 95 mil euros do que o inicialmente previsto (cerca de 1,5 milhões euros). A realização dos trabalhos adicionais foi aprovada na última reunião da Câmara Municipal de Pombal, realizada a 19 de Novembro.
A construção do Centro Escolar de Pelariga foi adjudicada à empresa Alvape – Construção e Obras Públicas, que no decorrer dos trabalhos, iniciados a 15 de Março, detectou alguns erros e omissões de valor superior a 95 mil euros (acrescido de IVA).
Estes trabalhos complementares de natureza imprevista representam 6,5% do valor da empreitada e motivaram um pedido de alargamento do prazo de execução da mesma por mais 30 dias. Desta forma, o términus da obra está previsto para 8 de Julho de 2022.
A vereadora Odete Alves anunciou o voto contra dos eleitos socialistas, argumentando que “esta obra não mereceu a aprovação do PS”, devido à “perda sistemática de alunos, não só na EB1 e Jardim de Infância de Pelariga, mas também na escola da Machada”.
“De forma nenhuma se justificava a construção de um novo edifício”, sublinhou, defendendo antes a “requalificação do existente”, tal como estava previsto na revisão da Carta Educativa, que apontava um total de 146 alunos nos estabelecimentos acima referidos, número que desceu para 112 na data em que foi aprovado o projecto em reunião de Câmara.
Na altura, Odete Alves já considerava “uma excentricidade” investir “1,5 milhões de euros para apenas quatro salas”, sobretudo tendo em conta a “perda sistemática de alunos e a tendência de descida”. E agora, “mantendo a coerência”, volta a votar contra por não conseguir perceber a “divergência tão grande em erros e omissões”, recordando que “a obra vai ficar em 1,8 milhões de euros (com IVA)”. Para chegar a este valor a eleita somou o valor de aquisição do terreno (mais de 130 mil euros) com 1,5 milhões de euros de investimento previsto inicialmente e 95 mil euros (acrescido de IVA) de trabalhos adicionais.
Em resposta, o vereador Pedro Navega salientou que se trata de um edifício com “quatro salas do ensino básico e duas do pré-escolar”. O responsável pelas Obras Públicas informou ainda que “é natural em todas as obras haver erros e omissões” e assegurou que “o serviço de fiscalização [da Câmara] tem estado diariamente na obra para garantir as boas técnicas de construção e o cumprimento do prazo de execução”, de modo a garantir a sua abertura no início do próximo ano lectivo.

Maqueta do futuro centro escolar da Pelariga

Carina Gonçalves | Jornalista

*Notícia publicada na edição impressa de 25 de Novembro