Unidade de Saúde Pública alerta que “incêndios comportam riscos para a saúde” e deixa recomendações

0
1217

A Unidade de Saúde Pública do ACES Pinhal Litoral alerta que “a exposição próxima ao cenário de incêndio comporta riscos importantes para a saúde”, pelo que deixa algumas recomendações sobretudo para os grupos mais vulneráveis ao calor, como são as crianças nos primeiros anos de vida, os idosos, as pessoas acamadas e as pessoas com doença crónica (como diabetes, doença cardiovascular, respiratória ou renal).

“No contexto específico dos fogos que se encontram activos no concelho, é fundamental reforçar que a exposição próxima ao cenário de incêndio comporta riscos importantes para a saúde, seja pelo calor acentuado (risco de queimaduras, desidratação, golpes de calor e esgotamento), pelo risco de traumatismos (quedas, transporte de materiais, circulação de veículos, quedas de árvores) ou pela inalação de ar poluído (dificuldade respiratória aguda, que pode ser grave, e descompensação de patologia respiratória crónica)”, refere uma nota da Unidade de Saúde Pública do ACES Pinhal Litoral.

Assim, “pessoas não treinadas no combate a incêndios devem manter-se afastadas do local, por salvaguarda da própria saúde e segurança, e para não perturbarem os trabalhos no teatro de operações”.

Por outro lado, a Unidade de Saúde Pública relembra que “a conjugação do calor extremo, com vento e valores baixos de humidade relativa do ar, além de potenciarem o perigo de incêndio, colocam riscos para a saúde da população”. Por esse motivo, “é fundamental que as pessoas estejam informadas acerca das formas de minimização do impacto do calor e de salvaguarda da sua saúde, perante temperaturas extremas”.

Neste sentido, a Unidade de Saúde Pública aconselha aumentar a ingestão de água e de sumos de fruta natural, mesmo sem ter sede, evitar bebidas alcoólicas e bebidas com elevados teores de açúcar, bem como fazer refeições leves e mais frequentes, com reforçado conteúdo em água.

Além disso, recomenda evitar a exposição às horas de maior calor, permanecendo em casa com sombra no interior, ou em espaços climatizados, como centros comerciais, e diminuir os esforços físicos, sobretudo nas horas de maior calor.

Usar roupas leves, largas e frescas, preferencialmente de cores claras, bem como chapéu e óculos de sol, colocar protector solar nos períodos de exposição solar obrigatória, com renovação assídua, assim como tomar duches de água fria ou tépida, sobretudo nos períodos de maior calor, mas evitando mudanças bruscas de temperatura, são outros dos conselhos deixados pela Unidade de Saúde Pública, os quais vão de encontro às recomendações da Direcção-Geral da Saúde, no âmbito do Plano de Contingência Saúde Sazonal – Módulo Verão.

“Estas medidas são particularmente importantes nos grupos mais vulneráveis ao calor, nomeadamente as crianças nos primeiros anos de vida, os idosos, as pessoas acamadas e as pessoas com doença crónica (como diabetes, doença cardiovascular, respiratória ou renal)”, salienta a mesma nota.

A Unidade de Saúde Pública recorda ainda que, ao abrigo da situação de contingência nacional, é proibido o acesso, circulação e permanência no interior dos espaços florestais, a realização de quaisquer queimadas, a realização de trabalhos nos espaços rurais com recurso a maquinaria com risco de ignição e a utilização de fogo-de-artifício ou outros artefactos pirotécnicos.

Em caso de necessidade de cuidados de saúde, os utentes devem privilegiar, sempre que possível, os meios de avaliação não presencial, nomeadamente a Linha SNS24 – 808 24 24 24 – e a Linha de Emergência Médica – 112.

A onda de calor que se regista na Península Ibérica desde o final da última semana, associada a uma massa de ar quente e seco trazida do leste da Europa pelo anticiclone dos Açores, tem resultado em elevações muito acentuadas das temperaturas médias em todo o país.

Por esse motivo, foi declarada a situação de contingência desde as 00h00 de 11 de Julho, para todo o território continental, sendo que o concelho de Pombal encontra-se em alerta vermelho, associado ao nível máximo de incêndio.

Com efeito, desde o dia 8 de Julho, vários incêndios têm assolado o concelho, com mobilização importante de meios, coordenados pelos Serviços Municipais de Emergência e Proteção Civil. O mais grave, iniciou-se na freguesia de Abiul, encontrando-se ainda em curso e tendo alastrado aos concelhos vizinhos de Ansião, Alvaiázere e Ourém.