Teatro Amador de Pombal estreia “9 Mulheres”

0
143

O Teatro Amador de Pombal (TAP) vai celebrar o seu 43º aniversário com a estreia de uma nova produção teatral – “9 Mulheres” – com encenação de Sara de Castro e Rui M. Silva. O espectáculo, com um preço de dois euros por pessoa, subirá ao palco do Teatro-Cine de Pombal na quinta-feira da próxima semana (dia 13).
No mesmo dia, às 23h30, o Jardim da Várzea acolhe, em concerto, os “Lavoisier”, um projecto de Roberto Afonso e Patrícia Relvas, com entrada livre.
“9 Mulheres” é uma peça baseada na obra Lisístrata de Aristófanes e será interpretada por Carla Ribeiro, Daniela Gaspar, Gabriel Bonifácio, Humberto Pinto, Joana Ferreira, Joana Mendes, Patrícia Rolo e Paulo Rodrigues.
“Se as mulheres na Antiga Grécia fizeram greve ao sexo para obrigar os seus homens a regressar a casa e acabar com a guerra, porque é que a guerra ainda não acabou?”, é a questão que a peça pretende responder.
“A verdade é que naquela comédia de Aristófanes, a Lisístrata, as mulheres uniram-se e conseguiram acabar com a guerra entre Atenas e Esparta. Mas os ecos das suas vozes corajosas e obstinadas foram-se muitas vezes perdendo ao longo da História e a guerra foi sempre acontecendo. À voz daquelas mulheres da Grécia, outras vozes se lhes juntaram. Vozes de mulheres oprimidas das mais variadas formas, que foram encontrando outras formas de se fazer ouvir, às vezes, formas violentas”, revela a sinopse, adiantando que o espectáculo resolve, então, “colar estas vozes distintas e separadas por vinte e cinco séculos para reflectirmos, hoje, sobre a voz das mulheres.”
Por sua vez, “Lavoisier” é um grupo formado por Roberto Afonso e Patrícia Relvas, que nasceu com a “necessidade interior de criar um diálogo, onde a expressão musical é elevada ao seu expoente mais sensível.” “A estadia em Berlim, entre 2009 e 2013, criou-lhes um novo olhar e, com a distância, chegou a inevitável ‘saudade’”, refere o TAP.
Ainda segundo o grupo, este projecto musical, com três trabalhos discográficos editados, “tem sido apresentado ao vivo em Portugal, Alemanha, Holanda, Dinamarca, França, Itália e Brasil, levando assim o exploratório da música portuguesa para o mundo.”

Partilhar
Artigo anteriorTi Milha quer “dinamizar a região e mostrar o encanto que há na aldeia”
Próximo artigoNDAP junta atletas nas celebrações de aniversário
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.