Outeiro da Ranha já tem Posto Fixo Avançado de Colheita de Sangue

0
1117

A Associação de Dadores de Sangue do Outeiro da Ranha (ADSOR) inaugurou, no passado dia 21 de Novembro, um Posto Fixo Avançado de Colheita de Sangue, que faz parte do Serviço de Sangue e Medicina Transfusional do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra (SSMT-CHUC) e funciona desde o início do ano com duas colheitas mensais.

Com 43 anos de existência, a ADSOR fazia habitualmente cerca de cinco colheitas de sangue anuais com uma média de duas centenas de dadores. Mas a pandemia veio revelar “uma grande necessidade de sangue”, contou o responsável pelo Banco de Sangue do CHUC, Mário Gama, que ainda em 2020 desafiou a ADSOR a criar um Posto Fixo Avançado de Colheita de Sangue com colheitas duas vezes por mês.
O desafio foi aceite e, desde o início de Janeiro deste ano, que a ADSOR promove colheitas no primeiro sábado de cada mês e num domingo por mês, conseguindo à volta de 150 colheitas de sangue mensais. Agora foi inaugurado e assinado o protocolo de cooperação com o CHUC.
“O Posto Fixo Avançado de Colheita de Sangue funciona 24 vezes por ano”, sublinhou o presidente da direcção da ADSOR, congratulando-se por a associação ter cerca de 1.400 inscritos e já ter ultrapassado as mil colheitas este ano, quando ainda têm agendadas mais duas colheitas, marcadas para 4 e 12 de Dezembro.
“Em 2020 conseguimos 708 colheitas e mais de 800 inscritos”, revelou Nuno Elias, salientando que “esta associação é um marco muito importante no concelho e na região, que atrai dadores não só do concelho de Pombal, mas também dos territórios vizinhos, nomeadamente Leiria e Ansião”.
“Esta associação é um exemplo difícil de encontrar no resto do país”, destacou o responsável pelo Banco de Sangue do CHUC, evidenciando “a sorte enorme da Câmara Municipal de Pombal” em ter “uma associação com este dinamismo, gratidão, humanismo e ambição”.
A ADSOR “é muito útil todos os dias, mas sobretudo em tempos pandémicos ou de catástrofes”, dos quais são exemplos o último ano ou o terramoto que assolou a ilha Terceira (Açores) nos anos 80 e que motivou a criação desta associação, recordou Mário Gama.
Também a vice-presidente do Município de Pombal, Isabel Marto, reconheceu a ADSOR como “uma boa prática e um exemplo a nível nacional”, que “é preciso divulgar para que possa ser replicado noutros concelhos”.
De salientar que, no mesmo dia, a associação homenageou os seus sócios fundadores, descerrando uma moldura com o nome e fotografia das 12 pessoas que tiveram a ideia de criar a ADSOR.

Carina Gonçalves | Jornalista

*Notícia publicada na edição impressa de 25 de Novembro