POMbike entra em funcionamento no início do ano

0
547

O sistema de uso partilhado de bicicletas POMbike entra em funcionamento no início deste ano, disponibilizando aos utilizadores bicicletas convencionais e eléctricas para circular na cidade de Pombal. O regulamento deste serviço foi aprovado por unanimidade pela Assembleia Municipal, a 20 de Dezembro.
O objectivo deste projecto passa por promover “mais e melhores práticas ambientais, impulsionando o uso da bicicleta e fomentando a adopção de práticas de exercício físico que contribuam para uma melhoria da mobilidade na cidade”, refere o regulamento.
A utilização das bicicletas, por um período máximo de “duas horas seguidas”, está sujeita a um registo no balcão de atendimento presencial (Fórum Munícipe) e ao pagamento de uma caução no valor de 25 euros para um utilizador regular ou 300 euros para um perfil ocasional. “O valor da caução reverterá para o Município de Pombal sempre que se verifique a existência de danos na bicicleta, decorrentes da sua incorrecta utilização, ou ainda no caso de desaparecimento da mesma, durante o período de utilização”, esclarece a autarquia.
“As bicicletas POMbike destinam-se exclusivamente a fins turísticos e de mobilidade urbana”, estando em funcionamento durante todo o ano, entre as 7h00 e as 22h00, adianta o regulamento.
As bicicletas convencionais e eléctricas são disponibilizadas em sete estações de serviço, que estão localizadas no Largo da Biblioteca Municipal, no Largo do Cardal, junto à Escola Marquês de Pombal, nos Governos, no Largo São Sebastião, junto à Piscina Municipal e na Zona Industrial da Formiga.
“Este projecto integra-se num objectivo mais amplo de incentivar a mobilidade suave no nosso território, integrado num movimento mais abrangente, daí a estratégia de alargar a rede ciclável”, destacou o presidente da Câmara Municipal.
Nesse sentido, o POMbike será “complementado a curto, médio e longo prazo com a criação de mais redes cicláveis”, num “projecto que tem condições para ser alargado a outros pontos do território”, concluiu Pedro Pimpão.

Carina Gonçalves | Jornalista

*Notícia publicada na edição impressa de 6 de Janeiro